O ACORDO

5.0 / 5.0
How much do you like this book?
What’s the quality of the file?
Download the book for quality assessment
What’s the quality of the downloaded files?
جلد:
1
زبان:
portuguese
فائل:
PDF, 1.63 MB
ڈاؤن لوڈ کریں (pdf, 1.63 MB)

آپ کو دلچسپی ہوسکتی ہے Powered by Rec2Me

 

اہم جملے

 
que3638
para1444
com1245
uma1183
mas923
ele921
por838
meu773
ela601
isso532
mais515
como471
sua427
seu387
vai348
mim328
tem282
vou264
sei248
cara243
bem237
seus230
foi223
meus223
ser216
tudo203
faz202
nem193
ter191
vez184
voz164
quer160
pode150
pelo149
sem147
nada146
1 comment
 
raphaella
quero um garret na minha vida ahahahah
17 May 2021 (03:22) 

آپ کتاب کا معائنہ کر سکتے ہیں اور اپنے تجربات شیئر کرسکتے ہیں۔ دوسرے قارئین کتابوں کے بارے میں آپ کی رائے میں ہمیشہ دلچسپی رکھیں گے۔ چاہے آپ کو کتاب پسند ہے یا نہیں ، اگر آپ اپنے دیانتدار اور تفصیلی خیالات دیںگے تو لوگوں کو نئی کتابیں ملیںگی جو ان کے لئے صحیح ہیں۔
1

Haunting Blackie

Language:
portuguese
File:
PDF, 1.35 MB
0 / 0
2

ESCOLHI O TEU AMOR

Language:
portuguese
File:
PDF, 1.46 MB
0 / 0
O ACORDO

1

HANNAH
Ele não sabe que existo.
Pela milionésima vez em quarenta e cinco minutos, dou uma olhadinha na
direção de Justin Kohl, e ele é tão bonito que minha garganta quase se fecha.
Talvez eu devesse pensar em outro adjetivo — meus amigos dizem que homem
não gosta de ser chamado de “bonito”.
Mas, minha nossa, não tem outro jeito de descrever as feições fortes e os olhos
castanhos emotivos. Hoje ele está de boné, mas sei o que isso esconde: cabelos
escuros e grossos, o tipo que parece sedoso ao toque e que dá vontade de passar os
dedos entre os fios.
Nos últimos cinco anos desde o estupro, meu coração só disparou por dois
caras.
O primeiro me largou.
E este simplesmente ignora a minha presença.
No tablado do auditório, a professora Tolbert está no meio do que passei a
chamar de Sermão da Decepção. É o terceiro em seis semanas.
Adivinhe como foram as notas? Setenta por cento da turma tirou seis ou menos
na primeira prova.
Eu? Nota máxima. E estaria mentindo se dissesse que o dez circulado à caneta
no alto da prova não foi uma surpresa completa. Apenas despejei uma sequência
infinita de baboseiras para tentar encher as folhas.
Ética filosófica deveria ser moleza. O antigo professor da matéria aplicava uns
testes ridículos de múltipla escolha e uma “prova” final que consistia em uma
redação propondo um dilema moral e questionando como você reagiria a ele.
Mas, duas semanas antes do início do semestre, o professor Lane morreu de
ataque cardíaco. Ouvi dizer que a faxineira dele o encontrou no chão do banheiro
— pelado. Pobre professor.
Por sorte (isso mesmo, estou sendo sarcástica), Pamela Tolbert assumiu a turma
de Lane. Ela é nova na Universidade Briar e é do tipo que espera que você faça
conexões e “se envolva” com a matéria. Se isso fosse um filme, ela seria a jovem

professora ambiciosa que vai parar numa escola do centro da cidade e inspira os
alunos rebeldes até que, de repente, está todo mundo largando as AK-47 para pegar
o lápis e, no final, quando sobem os créditos, você descobre que to; dos entraram
para Harvard ou coisa parecida. Oscar garantido para Hilary Swank.
Só que isso não é um filme, portanto, a única coisa que Tolbert inspirou nos
alunos foi ódio. E de fato ela parece não entender por que ninguém se sai bem na
sua aula.
Quer uma dica? É porque ela faz o tipo de pergunta que poderia gerar uma tese
de pós-graduação.
“Estou disposta a oferecer uma segunda chamada para todo mundo que não
passou ou que tirou cinco ou menos.” Tolbert torce o nariz como se fosse incapaz
de compreender a necessidade disso.
A palavra que acabou de usar… disposta? Pois é. Ouvi dizer que muitos alunos
reclamaram com os orientadores a respeito dela, e desconfio que o departamento a
tenha obrigado a preparar outra prova. Não pega bem para a Briar ter mais de
metade dos alunos de uma turma reprovados na matéria, principalmente porque
não são só os preguiçosos. Gente que só tira dez, como Nell, supercabisbaixa aqui
do meu lado, também se deu mal na prova.
“Para quem quiser fazer a segunda chamada, a nota final vai ser uma média das
duas. Quem se sair pior na segunda, fica só com a primeira nota”, conclui Tolbert.
“Não acredito que você tirou dez”, sussurra Nell para mim.
Parece tão chateada que sinto uma pontada de pena. Nell e eu não somos
melhores amigas nem nada parecido, mas sentamos uma do lado da outra desde
setembro, então era de esperar que acabássemos nos conhecendo. Ela está fazendo
o preparatório para medicina, e sei que vem de uma família de sucesso que a
humilharia em praça pública se descobrisse a nota que tirou.
“Nem eu”, sussurro de volta. “Fala sério. Olha só as minhas respostas. Um
monte de asneira sem sentido.”
“Pensando bem, posso mesmo dar uma olhada?” Parece interessada agora.
“Estou curiosa para saber o que a Tirana considera digno de um dez.”
“Vou escanear e passar por e-mail hoje à noite”, prometo.
No instante em que Tolbert nos dispensa, o auditório ressoa com ruídos de “Me
tira daqui”. Laptops se fecham, cadernos voltam para dentro de mochilas, os
alunos se levantam das cadeiras.
Justin Kohl se demora perto da porta para falar com alguém, e meu olhar se
fecha sobre ele como um míssil teleguiado. Lindo.
Já falei como é bonito?

As palmas das minhas mãos ficam suadas só de admirar seu perfil. Ele acabou
de chegar à Briar, mas não sei de que faculdade foi transferido, e, embora não
tenha demorado a se tornar a estrela do time de futebol americano, não é como os
outros atletas da universidade. Não desfila pelos jardins da faculdade com um
sorrisinho de quem se acha um milagre da natureza, carregando nos braços uma
menina diferente a cada dia. Já o vi rindo e fazendo piada com os amigos do time,
mas ele transmite uma aura intensa e inteligente que me faz achar que, no fundo,
esconde algo mais. O que me deixa ainda mais desesperada para conhecê-lo.
Atletas não são muito o meu tipo, mas alguma coisa nele me faz agir como
idiota.
“Você está dando bandeira de novo.”
A provocação de Nell me faz corar. Ela já me flagrou babando por Justin
algumas vezes e é uma das poucas pessoas para quem admiti minha queda por ele.
Allie, que mora comigo, também sabe, mas meus outros amigos? Nem pensar.
A maior parte deles está fazendo especialização em música ou teatro, então acho
que isso faz de nós o grupinho de artistas. Ou talvez de emos. Tirando Allie, que
tem um relacionamento desses que vai e volta com um membro de uma
fraternidade desde o primeiro ano, meus amigos gostam de se divertir às custas da
elite de Briar. Em geral, não participo (prefiro pensar que estou acima do hábito
de fazer fofoca dos outros), mas… convenhamos, a maioria dos alunos populares
são uns babacas completos.
Garrett Graham, por exemplo, o outro atleta estrela da turma. Anda por aí como
se fosse o dono do pedaço. E acho que é um pouco. Basta ele estalar os dedos e
uma menina desesperada aparece aos seus pés. Ou pula no seu colo. Ou enfia a
língua na sua goela.
Hoje, no entanto, não está com cara de todo-poderoso. Quase todo mundo já foi
embora, incluindo Tolbert, mas Garrett não levantou do lugar e está com os
punhos cerrados em volta da prova.
Também deve ter reprovado, mas não tenho muita pena do cara. A Briar é
conhecida por duas coisas: hóquei e futebol americano, o que não surpreende, já
que Massachusetts é o lar tanto dos Patriots quanto dos Bruins. Os atletas da Briar
quase sempre viram profissionais e, enquanto estão aqui, recebem tudo de mão
beijada — até as notas.
Tudo bem, pode ser que isso faça de mim uma pessoa um tantinho vingativa,
mas dá uma sensação de triunfo saber que Tolbert vai reprovar o capitão do nosso
vitorioso time de hóquei junto com todo mundo.
“Topa tomar um café?”, pergunta Nell, recolhendo os livros.

“Não posso. Tenho ensaio em vinte minutos.” Fico em pé, mas não a
acompanho até a porta. “Pode ir. Preciso dar uma olhada na agenda antes de sair.
Não lembro que dia é a minha próxima reunião com a professora assistente.”
Outra “vantagem” de estar na turma de Tolbert: além da palestra semanal,
somos obrigados a fazer duas seções de trinta minutos por semana com a
professora assistente, Dana, que pelo menos tem todas as qualidades que faltam a
Tolbert. Como senso de humor.
“Beleza”, diz Nell. “Vejo você depois.”
“Até mais”, respondo.
Ao som da minha voz, Justin para na porta e vira a cabeça.
Ai. Meu. Deus.
É impossível não ficar com a cara toda vermelha. É a primeira vez que fazemos
um simples contato visual, e não sei como responder. Digo oi? Aceno? Sorrio?
No final, decido-me por cumprimentá-lo com um pequeno aceno. Pronto.
Descontraído e casual, condizente com uma universitária sofisticada do terceiro
ano.
Seus lábios se curvam num leve sorriso, e meu coração dá um pulo. Justin
acena de volta e vai embora.
Fico olhando a entrada do auditório vazia. Meu pulso dispara porque puta merda.
Depois de seis semanas respirando o mesmo ar neste lugar abafado, finalmente
Justin notou que existo.
Queria ter coragem o suficiente para ir atrás dele. Talvez convidá-lo para um
café. Ou um jantar. Ou um café da manhã… espere aí, gente da minha idade toma
café da manhã?
Mas meus pés fincam no piso laminado e polido.
Porque sou uma covarde. Isso aí, uma covarde total e completa. Tenho pânico
de que ele diga não — mas mais ainda de que diga sim.
Quando comecei esta faculdade, estava tudo bem na minha vida. Com meus
problemas deixados para trás e a guarda baixa, estava pronta para ficar com outras
pessoas. E foi o que fiz. Saí com vários caras, mas, tirando meu ex-namorado,
Devon, nenhum deles fez meu corpo formigar como Justin Kohl, e isso me tira do
sério.
Um passo de cada vez.
É assim mesmo. Seguir em frente com um passo de cada vez. Era o conselho
preferido da minha psicóloga, e não posso negar que a estratégia tenha me
ajudado muito. Se concentrar nas pequenas vitórias, era o que Carole sempre dizia.
Então… a vitória de hoje… Acenei para Justin, e ele sorriu para mim. Na

próxima aula, talvez eu sorria de volta. E na outra quem sabe eu não levanto a
ideia do café, do jantar ou do café da manhã.
Respiro fundo e desço o corredor, me agarrando a essa sensação de vitória, por
menor que seja.
Um passo de cada vez.

GARRETT
Reprovei.
Não acredito que reprovei.
Por quinze anos, Timothy Lane distribuiu notas dez como se fossem balas. Mas
justo no ano em que eu faço a matéria, Lane bate as botas e tenho que me
contentar com Pamela Tolbert.
É oficial. A mulher é minha arqui-inimiga. Só de ver sua letrinha rebuscada —
que preenche cada milímetro das margens da minha prova — quero dar uma de
Incrível Hulk e destroçar o papel na minha mão.
Tirei dez em quase todas as outras matérias, mas, a partir deste exato instante,
estou com zero em ética filosófica. O que, combinado com o seis em história da
Espanha, faz minha média cair para cinco.
E preciso de média seis para jogar hóquei.
Em geral, não é difícil manter minhas notas lá em cima. Apesar do que muita
gente imagina, não sou um atleta burro. Mas não me importo de deixar que as
pessoas pensem isso. Principalmente as mulheres. Acho que elas gostam da ideia
de ficar com um homem das cavernas musculoso que só sabe fazer uma coisa, e
como não quero nada sério por enquanto, rolos com garotas que só querem sexo
são muito bem-vindos. Sobra mais tempo para me concentrar no hóquei.
Mas se eu não melhorar a nota não vai mais ter hóquei. A pior coisa da Briar? O
reitor exige excelência — tanto acadêmica quanto atlética. Diferente das outras
faculdades, que são mais condescendentes com os atletas, a Briar tem uma política
de tolerância zero.
Maldita Tolbert. Quando perguntei antes da aula se poderia fazer algum trabalho
extra para melhorar a nota, ela me mandou, com aquela voz anasalada, participar
das reuniões com a professora assistente e frequentar o grupo de estudos. Já faço
as duas coisas. Então é isso aí, ou contrato algum garoto prodígio para usar uma
máscara da minha cara e fazer a prova para mim… ou estou perdido.
Expresso minha frustração com um suspiro audível e, de canto de olho, vejo
alguém levar um susto.

Também me assusto, porque achei que estivesse aqui com minha tristeza
sozinho. Mas a menina que senta na última fileira continua no auditório e está
descendo até a mesa de Tolbert.
Mandy?
Marty?
Não lembro o nome dela. Vai ver é porque nunca me dei ao trabalho de
perguntar. Mas ela é interessante. Bem mais do que eu pensava. Rosto bonito,
cabelo escuro, gostosa — cacete, como nunca prestei atenção nesse corpo antes?
Mas agora reparo. Calça justa acompanhando as curvas, a bunda arrebitada e
implorando “me aperta”, o suéter de gola V abraçando uma comissão de frente de
respeito. Porém, não tenho tempo de admirar nenhuma dessas qualidades, porque
ela percebe meu olhar encarando-a, e seus lábios se franzem.
“Tudo bem?”, pergunta, com uma expressão mordaz.
Murmuro algo incompreensível. Não estou a fim de conversar com ninguém
agora.
Ela ergue uma das sobrancelhas escuras para mim. “Desculpa, em que língua foi
isso?”
Amasso a prova e empurro a cadeira de volta para o lugar. “Falei que tudo
bem.”
“Então tá.” Dá de ombros e continua a descer os degraus.
Enquanto ela pega a prancheta com a escala da professora assistente, visto o
casaco do time de hóquei, enfio a prova ridícula na mochila e fecho o zíper.
A menina de cabelos escuros volta até o corredor entre as cadeiras. Mona?
Molly? Acho que o M está certo, mas não tenho a menor ideia do restante. Traz
sua prova na mão, mas nem perco tempo tentando ver a nota, porque imagino
que tenha ido mal como todo mundo.
Deixo-a passar e saio da minha fileira para o corredor. Poderia dizer que foi o
meu lado cavalheiresco, mas seria mentira. Quero dar mais uma conferida nessa
bunda, porque é mesmo uma bunda bem gostosa, e, agora que já vi, posso muito
bem olhar de novo. Sigo-a até a porta do auditório e, de repente, me dou conta de
como é baixinha — estou um degrau abaixo dela e consigo ver o topo de sua
cabeça.
Assim que chegamos à porta, ela tropeça em absolutamente coisa nenhuma e
seus livros se espalham no chão.
“Droga. Sou tão desastrada.”
Ajoelha-se, e eu também, porque, ao contrário do que acabei de dizer, posso sim
ser um cavalheiro quando quero, e a coisa educada a fazer é ajudá-la a pegar os

livros.
“Ah, não precisa. Pode deixar”, insiste.
Mas minha mão já pegou sua prova, e meu queixo despenca assim que vejo a
nota.
“Cacete. Você gabaritou?”, me espanto.
Ela me lança um sorriso autodepreciativo. “Pois é, nem acredito. Tinha certeza
de que tinha mandado mal.”
“Caramba.” Começo a me sentir como se tivesse acabado de topar com o
próprio Stephen Hawking, e ele exibisse os segredos do universo bem debaixo do
meu nariz. “Posso ver suas respostas?”
Ela ergue as sobrancelhas de novo. “Meio atiradinho da sua parte, não? A gente
nem se conhece.”
Reviro os olhos. “Não estou pedindo para você tirar a roupa, gata. Só quero dar
uma olhada na sua prova.”
“Gata? Tchau, atiradinho; oi, presunçoso.”
“Você prefere senhorita? Ou madame? Usaria seu nome, mas não sei.”
“Claro que não.” Ela suspira. “É Hannah”, e, após uma pausa forçada: “Garrett.”
Tá, eu tinha errado feio com o negócio do M.
E também não me passou despercebido o jeito como ela pronunciou o meu
nome, como se dissesse: Está vendo, eu sei o seu, babaca!
Ela pega o restante dos livros e se levanta, mas não lhe entrego a prova. Em vez
disso, fico em pé e começo a passar as páginas. Ao correr os olhos por suas
respostas, meu humor despenca ainda mais, porque se esse é o tipo de análise que
Tolbert espera, estou ferrado. Caramba, estou estudando história por um motivo
— lido com fatos. Preto no branco. Tal coisa aconteceu a tal pessoa e aqui está o
resultado.
As respostas de Hannah giram em torno de baboseira teórica e de como os
filósofos responderiam a diversos dilemas morais.
“Obrigado.” Devolvo a prova e, enfiando os polegares nos passadores da calça
jeans, arrisco: “Ei, escuta. Você… acha que poderia…”. Dou de ombros. “Você
sabe…”
Ela treme os lábios como se estivesse fazendo força para não rir. “Na verdade,
não sei, não.”
Solto um suspiro. “Topa me dar umas aulas?”
Seus olhos verdes — os olhos verdes mais escuros que já vi, delineados por
grossos cílios pretos — vão de surpresos a céticos em segundos.
“Eu pago”, acrescento, às pressas.

“Ah. Hmm. Bom, é claro que eu cobraria. Mas…” Ela balança a cabeça.
“Desculpa. Não posso.”
Disfarço a decepção. “Vamos lá, quebra essa pra mim. Se eu me sair mal na
segunda chamada, minha média vai pro saco. Por favor?” Abro um sorriso, o que
faz minhas covinhas aparecerem, e isso nunca falha em derreter corações.
“Isso costuma funcionar?”, ela pergunta, curiosa.
“O quê?”
“Esse sorriso de menino pidão… te ajuda a conseguir as coisas?”
“Sempre”, respondo, sem hesitar.
“Quase sempre”, me corrige. “Olha, sinto muito, mas realmente não tenho
tempo. Já estou conciliando trabalho e estudo, e com o festival de inverno
chegando, vou ter ainda menos tempo.”
“Festival de inverno?”, pergunto, sem entender.
“Ah, esqueci. Se não for sobre hóquei, então você não sabe o que é.”
“Quem está sendo presunçosa agora? Você nem me conhece.”
Após uma pausa, ela solta um suspiro. “Estou cursando música, entendeu? E o
departamento de artes organiza duas apresentações por ano, o festival de inverno e
o de primavera. O de inverno garante uma bolsa de cinco mil dólares. É um
evento grande, na verdade. Gente importante do mercado viaja o país inteiro para
acompanhar. Agentes, produtores, caça-talentos… Então, por mais que adore a
ideia de ajudar você…”
“Adora coisa nenhuma”, resmungo. “Você está com uma cara de que nem
queria estar falando comigo.”
O movimento de desdém que ela faz com os ombros é de tirar do sério. “Está na
hora do meu ensaio. É uma pena que você vá reprovar nessa matéria, mas, para
você se sentir melhor, todo mundo vai.”
Estreito os olhos. “Menos você.”
“Está fora do meu controle. Tolbert parece gostar do meu tipo de baboseira. É
um dom.”
“Bom, quero esse dom. Por favor, mestre, me ensina a arte da baboseira.”
Estou a dois passos de me jogar de joelhos no chão e implorar, mas Hannah
segue até a porta. “Tem um grupo de estudos, sabia? Posso passar o telefone…”
“Já estou no grupo de estudos”, murmuro.
“Ah. Nesse caso não posso fazer muito mais por você. Boa sorte com a segunda
chamada. Gato.”
Ela dispara em direção à porta e me deixa para trás, encarando o vazio,
frustrado. Inacreditável. Todas as meninas da faculdade dariam um braço para me

ajudar. Mas essa? Foge como se eu estivesse sugerindo que a gente matasse um
gato e fizesse um sacrifício ao demônio.
Agora estou de volta ao ponto em que estava antes de “Hannah que não começa
com M” me dar um lampejo mínimo de esperança.
Totalmente ferrado.

2

GARRETT
Depois do grupo de estudos, entro na sala de estar e encontro meus colegas de
república caindo de bêbados. A mesinha de centro está lotada de latas de cerveja,
além de uma garrafa de Jack Daniel’s quase vazia que com certeza é do Logan,
porque ele é do tipo que acha que “cerveja é para os fracos”. Palavras dele, não
minhas.
Logan e Tucker estão jogando uma partida disputada de Ice Pro, os olhos fixos
na tela plana enquanto apertam furiosamente os controles. Ao notar minha
presença na porta, Logan se volta por um instante na minha direção, e essa
distração por uma fração de segundo lhe cobra o preço.
“Mandou bem, garoto!”, comemora Tuck, à medida que seu jogador de defesa
acerta um passe contra o goleiro de Logan, fazendo o placar acender.
“Ah, que merda!” Logan pausa o jogo e me lança um olhar furioso. “Porra, G.!
Acabei de levar um drible por sua causa.”
Não respondo, porque eu estou distraído — pelo amasso seminu acontecendo
no canto da sala. Dean se deu bem de novo. Descalço e sem camisa, está
esparramado na poltrona com uma loura só de sutiã preto de renda e shortinho,
montada em cima dele e se esfregando contra sua virilha.
Seus olhos azul-escuros me fitam por cima do ombro da menina, e Dean sorri
em minha direção. “Graham! Onde você estava, cara?”, pergunta, com a voz
arrastada.
E, antes que eu possa responder ao seu questionamento embriagado, volta a
beijar a loura.
Por alguma razão, Dean gosta de dar amassos em todos os lugares, menos no
próprio quarto. É sério. É só dar as costas, e ele está se atracando com alguém. No
balcão da cozinha, no sofá da sala, na mesa de jantar — o cara já se deu bem em
todos os cantos da república que nós quatro dividimos. Ele pega todas e não está
nem aí.
Até aí, eu também não tenho do que reclamar. Não sou nenhum monge; Logan
e Tuck muito menos. O que posso fazer? Jogadores de hóquei têm um apetite

voraz. Quando não estamos no gelo, em geral estamos com uma gata ou duas. Ou
três, se seu nome for Tucker e estiver na festa de Réveillon do ano passado.
“Faz uma hora que estou te mandando mensagem, cara”, me avisa Logan.
Ele curva os enormes ombros para a frente e pega a garrafa de uísque da mesa
de centro. Logan é um brutamontes da linha de defesa, um dos melhores com
quem já joguei, e o melhor amigo que já tive. Seu primeiro nome é John, mas nós
o chamamos de Logan para diferenciá-lo de Tucker, que também se chama John.
Por sorte, Dean é só Dean, então não precisamos chamá-lo pelo gigantesco
sobrenome: Heyward-Di Laurentis.
“Sério, onde você se meteu?”, resmunga Logan.
“Grupo de estudos.” Pego uma Bud Light da mesa e abro a latinha. “Que história
é essa de surpresa?”
Sei o quão bêbado Logan está pela ortografia das suas mensagens. E, esta noite,
ele deve estar muito louco, porque tive que dar uma de Sherlock para decodificar
o que queria dizer. Suprz era “surpresa”. E cdvcp eu demorei um pouco mais para
entender, mas acho que era “cadê você, porra”. Em se tratando de Logan, quem
pode adivinhar?
De seu canto no sofá, ele abre um sorriso tão grande que me espanto de sua
mandíbula não se romper. Em seguida, aponta para o teto e diz: “Vai lá em cima
dar uma olhada”.
Aperto os olhos. “Por quê? Quem está lá?”
Logan prende o riso. “Se eu contar, não vai ser surpresa.”
“Por que estou com a sensação de que você está aprontando alguma coisa?”
“Nossa”, dispara Tucker. “Você tem sérios problemas de confiança, G.”
“Diz o idiota que colocou um guaxinim vivo no meu quarto no primeiro dia de
aula.”
Tucker sorri. “Ah, qual é, o Bandit era fofo pra caralho. Foi um presente de volta
às aulas.”
Mostro o dedo do meio. “Pois é, mas foi um inferno me livrar do seu presente.”
Faço uma cara feia para ele, porque ainda lembro que precisei chamar três
empresas de dedetização para tirar os rastros do bicho do quarto.
“Pelo amor de Deus”, resmungou Logan. “Custa ir lá em cima? Confia em mim,
você vai me agradecer.”
Os dois trocam um olhar cúmplice que reduz minhas suspeitas. Mais ou menos.
Quer dizer, não dá para baixar a guarda de vez; não com esses babacas por perto.
Pego mais duas latinhas e subo. Não costumo beber muito durante o
campeonato, mas o treinador deu uma semana de folga para as provas, e ainda

tenho dois dias de liberdade. Meus colegas de time, um bando de sortudos,
parecem não ter problema nenhum em virar doze cervejas e mesmo assim jogar
como profissionais no dia seguinte. Já eu? O menor porrezinho me deixa com
uma baita dor de cabeça na manhã seguinte, e pareço uma criança aprendendo a
usar o primeiro par de patins.
Quando estivermos de volta à rotina de treino seis dias por semana, meu
consumo de álcool vai voltar para o limite máximo de um por cinco. Uma cerveja
em véspera de treino, cinco depois de um jogo. Sem exceção.
A ideia é aproveitar ao máximo o tempo que me sobra.
Armado com minhas cervejas, subo até o meu quarto. A suíte presidencial. Pode
acreditar: eu usei mesmo o argumento de que “eu sou o capitão do time”, e, vai
por mim, valeu a pena. Banheira privativa, cara.
A porta está entreaberta, uma visão que me traz de volta todas as suspeitas. Olho
pelo vão com cuidado, para me certificar de que não tem um balde cheio de
sangue equilibrado lá no alto, em seguida, dou um empurrão de leve. A porta se
abre, e passo por ela, preparado para uma emboscada.
E caio feito um patinho.
Só que é mais uma emboscada visual, porque, puta merda, a menina sentada na
cama parece saída de um catálogo da Victoria’s Secret.
Bom, sou homem. Não sei o nome de metade das coisas que ela está usando.
Vejo renda, laços cor-de-rosa e muita pele de fora. E isso me deixa feliz.
“Você demorou.” Kendall abre um sorriso sensual que diz você está prestes a se dar
muito bem, garotão, e meu pau reage como era de se imaginar, ficando duro debaixo
do fecho da calça. “Ia esperar mais cinco minutos e desistir.”
“Então cheguei a tempo.” Meus olhos percorrem a lingerie digna de babar, e
pergunto, com a voz arrastada: “Ah, gata, isso tudo é só para mim?”.
Seus olhos azuis escurecem, sedutores. “Você sabe que sim, gostoso.”
Estou bem ciente de que soamos como personagens de um filme pornô dos
mais cafonas. Mas dá um desconto… quando um homem entra em seu quarto e
encontra uma mulher usando isso, fica disposto a reviver qualquer cena vulgar
que ela queira, até aquela em que ele finge ser o entregador de pizza batendo na
casa de uma coroa inteirona.
A primeira vez que Kendall e eu ficamos foi no verão, mais por conveniência do
que por qualquer outra coisa, porque nós dois passamos as férias na cidade.
Fomos a um bar umas duas vezes, uma coisa levou a outra, e, quando me dei
conta, estava pegando uma gostosa de fraternidade. Mas quando as aulas voltaram,
o negócio esfriou, e, fora umas mensagens safadas aqui e ali, não tinha visto

Kendall até hoje.
“Imaginei que você iria querer se divertir um pouco antes dos treinos
recomeçarem”, diz ela, os dedos de unhas feitas brincando com o pequeno laço
rosa no centro do sutiã.
“Acertou.”
Seus lábios se curvam num sorriso, e ela fica de joelhos. Cara, os peitos quase
pulam da coisa rendada que está usando. Ela me chama com o indicador. “Vem
cá.”
Não perco tempo e caminho a passos largos na direção dela. Porque… mais uma
vez… Sou homem.
“Acho que você está um pouco vestido demais”, observa. Em seguida, segura o
cós da minha calça jeans e abre o botão. Baixa o zíper, e, um segundo depois, meu
pau está em sua mão. Faz algumas semanas que não coloco roupa para lavar, por
isso não tenho usado cueca até ajeitar melhor minha vida, e, pela forma como os
olhos dela brilham, sei que gostou do que encontrou.
Quando me envolve com os dedos, deixo escapar um gemido da garganta. Isso.
Não tem nada melhor do que a sensação da mão de uma mulher em seu pau.
Não, minto. A língua de Kendall entra em jogo, e, puta merda, é muito melhor
do que a mão.
Uma hora depois, Kendall se aconchega em mim e deita a cabeça em meu peito.
Nossas roupas estão espalhadas pelo chão do quarto, junto com duas embalagens
vazias de camisinha e um tubinho de lubrificante que nem chegamos a usar.
Esse negócio de ficar abraçado me deixa apreensivo, mas não posso exatamente
expulsá-la de casa depois de todo o esforço que fez para me agradar.
E isso também me preocupa.
Mulheres não se enfeitam com lingerie cara para uma aventura de uma noite só,
não é? Eu diria que não, e as próximas palavras de Kendall confirmam meus
pensamentos incômodos.
“Senti sua falta, gato.”
A primeira coisa que me vem à cabeça é merda.
E a segunda, por quê?
Afinal, durante todo o tempo em que ficamos, Kendall não fez o menor esforço
para me conhecer. Quando não estávamos fazendo sexo, ela só falava dela própria
sem parar. É sério, acho que, desde que nos conhecemos, nunca fez uma pergunta
pessoal ao meu respeito.
“Hmm…” Tento encontrar as palavras, qualquer sequência que não consista em

também, senti, sua e falta. “Tenho andado meio ocupado. Sabe como é, as provas.”
“Claro. Somos da mesma faculdade. Também estava estudando.” Sua voz soa
ligeiramente mais ríspida. “Sentiu minha falta?”
Não acredito! Como responder a essa pergunta? Não vou mentir, porque isso só
lhe daria esperanças. Mas não posso ser um babaca e admitir que ela nem sequer
passou pela minha cabeça desde a última vez que a gente ficou.
Kendall senta na cama e franze a testa. “É uma pergunta que só dá para
responder com sim ou não, Garrett. Você. Sentiu. Minha. Falta?”
Meu olhar desvia para a janela. Isso aí, moro no segundo andar e estou
considerando saltar pela janela. Tamanho é o meu desespero para evitar essa
conversa.
Mas meu silêncio fala mais alto, e, de uma hora para a outra, Kendall pula da
cama, os cabelos louros voando em todas as direções, e junta suas coisas. “Ai, meu
Deus. Você é um babaca! Nem liga para mim, não é, Garrett?”
Levanto e disparo em direção à minha calça jogada no chão. “Claro que ligo
para você”, protesto. “Mas…”
Ela veste a calcinha, irritada. “Mas o quê?”
“Mas achei que a gente estava na mesma. Não quero nada sério agora.” E lanço
um olhar furioso na direção dela. “Avisei isso desde o início.”
Sua expressão se suaviza, e Kendall morde o lábio. “Eu sei, mas… só achei que…”
Sei exatamente o que achou — que me apaixonaria perdidamente por ela, e que
o nosso caso se transformaria numa porcaria de Diário de uma paixão.
Sério, não sei por que me dou ao trabalho de explicar as regras do jogo. Por
experiência própria, mulher nenhuma entra numa relação sem compromisso
achando que vai continuar sem compromisso. Ela pode dizer que não, quem sabe
até se convencer de que topa esse negócio de sexo casual, mas, lá no fundo, torce e
reza para que a relação se transforme em algo mais profundo.
É aí que eu, o vilão em minha comédia romântica pessoal, entro em cena e
estouro a bolha de esperança, apesar de nunca ter escondido minhas intenções ou
a enganado, nem mesmo por um segundo.
“O hóquei é a minha vida”, digo, rispidamente. “Treino seis dias por semana,
jogo vinte partidas por ano… mais, se chegarmos às finais. Não tenho tempo para
uma namorada, Kendall. E você merece muito mais do que posso oferecer.”
A infelicidade turva seus olhos. “Não quero uma aventura casual atrás da outra.
Quero ser sua namorada.”
Mais um por quê? quase me salta pela boca, mas mordo a língua. Se ela tivesse
demonstrado qualquer interesse em mim fora do sentido carnal, poderia acreditar

nisso, mas como esse nunca foi o caso, chego a pensar que a única razão para
Kendall querer um relacionamento comigo é porque sou algum tipo de símbolo
de status para ela.
Engulo a frustração e ofereço outro pedido de desculpas desajeitado. “Sinto
muito. Mas é a minha palavra final.”
Enquanto abotoo a calça, ela se concentra em vestir suas roupas. Embora roupas
seja uma espécie de exagero — Kendall está só de lingerie e sobretudo. Isso
explica por que Logan e Tucker estavam rindo feito dois bobos quando entrei em
casa. Porque quando uma menina bate à sua porta de sobretudo, você sabe muito
bem o que tem debaixo dele.
“A gente não pode mais se ver”, anuncia ela, afinal, o olhar cruzando o meu. “Se
a gente continuar fazendo… isso… só vou ficar mais apegada.”
Não tenho como argumentar, então nem tento. “Mas pelo menos a gente se
divertiu, não foi?”
Depois de um instante de silêncio, ela sorri. “É, a gente se divertiu.”
Kendall se aproxima e fica na ponta dos pés para me beijar. Eu a beijo de volta,
mas não com a mesma paixão de antes. Mantenho a linha. E o respeito. O caso
acabou, e não vou mais dar esperanças.
“Dito isso…” Seus olhos brilham, travessos. “Se mudar de ideia sobre essa
história de namorada, é só me avisar.”
“Você vai ser a primeira a saber”, prometo.
“Ótimo.”
Ela estala um beijo em minha bochecha e sai pela porta, me deixando para trás,
bobo de ver o quão fácil foi tudo isso. Tinha me preparado para uma briga, mas,
fora a explosão inicial de raiva, Kendall aceitou a situação muito bem.
Se todas as mulheres fossem tão agradáveis quanto ela…
É isso aí, estou falando da tal Hannah.
Sexo sempre me desperta o apetite, então desço até o térreo em busca de comida
e fico feliz em descobrir que sobrou um pouco de arroz com frango frito do Tuck,
o chef da casa, porque o restante de nós é incapaz de ferver água sem se queimar.
Tuck, por outro lado, cresceu no Texas com uma mãe solteira que o ensinou a
cozinhar quando ainda sujava a fralda.
Eu me acomodo na bancada, enfio um pedaço de frango na boca e vejo Logan se
aproximar só de cueca xadrez.
Ele levanta uma sobrancelha ao me ver. “Ei. Não achei que fosse encontrar você
por aqui esta noite. Imaginei que iria estar MOT.”
“MOT?”, pergunto, entre uma mordida e outra. Logan gosta de inventar siglas na

esperança de que vamos começar a usá-las como gíria, mas na maioria das vezes
não tenho a menor ideia do que está falando.
Ele ri. “Muito ocupado transando.”
Reviro os olhos e dou uma garfada no arroz.
“Sério, a loura já foi?”
“Já.” Mastigo antes de prosseguir. “Ela conhece as regras.” As regras, no caso,
são: nada de namorar, muito menos passar a noite juntos.
Logan apoia o antebraço na bancada, os olhos azuis brilhando ao mudar de
assunto. “Mal posso esperar pelo jogo com o St. Anthony, neste fim de semana.
Ficou sabendo? A suspensão de Braxton acabou.”
Isso fisga minha atenção. “Não brinca. Ele vai jogar no sábado?”
“Certeza que vai.” A expressão no olhar de Logan é de puro deleite. “Vou adorar
esmagar a cara daquele idiota no rinque.”
Greg Braxton é o lateral esquerda estrelinha do St. Anthony e uma criatura
absolutamente desprezível, com uma índole sádica que faz questão de extravasar
no gelo. Quando nossos times se encontraram num amistoso, mandou um dos
nossos defensores, um aluno do segundo ano, para o pronto-socorro com um
braço quebrado. Daí a suspensão por três partidas, embora, se dependesse de mim,
o psicopata teria sido banido do hóquei universitário para o resto da vida.
“Senta o braço. Eu cubro você”, garanto.
“Vou cobrar essa promessa, hein? Ah, e na semana que vem vamos pegar o
Eastwood.”
Preciso prestar mais atenção ao nosso calendário. O Eastwood College está em
segundo lugar na nossa chave (atrás da gente, claro), e nossos duelos são sempre
emocionantes.
E, cacete, de repente me dou conta de que preciso gabaritar a segunda chamada
de ética ou não vou poder entrar no rinque contra eles.
“Merda”, resmungo.
Logan rouba um pedaço de frango do meu prato. “O que foi?”
Ainda não comentei a situação das minhas notas com os meus colegas de
hóquei, porque tinha esperança de não ir tão mal nas provas, mas agora parece
que não tenho mais como escapar da confissão.
Com um suspiro, conto a Logan sobre o zero que tirei em ética e o que isso
pode significar para o time.
“Tranca a matéria”, diz ele, na mesma hora.
“Não posso. Perdi o prazo.”
“Droga.”

“Pois é.”
Trocamos um olhar desanimado, então Logan desaba no banco ao lado do meu
e passa a mão pelos cabelos. “Então você tem que tomar jeito, cara. Enfia a cara
nos livros e gabarita essa porra. A gente precisa de você, G.”
“Eu sei.” Aperto o garfo em minha mão, frustrado, em seguida deixo-o na
bancada. Perdi a fome. Este é o meu primeiro ano como capitão, o que é uma
honra e tanto, considerando que ainda estou no penúltimo ano. Espera-se de mim
que eu repita os feitos do capitão anterior e conquiste mais um campeonato
nacional para o time, mas como vou fazer isso se não estiver no rinque?
“Estou arrumando umas aulas particulares com outra aluna”, tranquilizo meu
colega. “A mulher é um gênio.”
“Ótimo. Pague o preço que ela pedir. Posso contribuir se você precisar.”
Não consigo conter um sorriso. “Uau. Você está se oferecendo para abrir mão
do seu tão querido dinheirinho? Deve estar mesmo desesperado para me ver no
time.”
“Pode apostar. Tudo pelo sonho, cara. Eu e você de uniforme do Bruins,
lembra?”
Tenho que admitir que é um baita sonho. É só o que Logan e eu falamos desde
que viramos colegas de república, no primeiro ano. Não tenho dúvidas de que vou
virar profissional quando me formar. E não tenho dúvidas de que Logan também
vai ser convocado. O cara é mais rápido que um raio e um completo animal no
gelo.
“Trata de subir essa nota, G.”, ordena ele. “Ou vou acabar com a sua raça.”
“Quem vai acabar comigo vai ser o treinador.” Forço um sorriso. “Não esquenta.
Vou dar um jeito.”
“Certo.” Logan rouba mais um pedaço de frango antes de deixar a cozinha.
Engulo o restante da comida e subo novamente para procurar meu celular. Hora
de aumentar a pressão na “Hannah que não começa com M”.

3

HANNAH
“Realmente acho que você devia cantar a última nota em mi maior”, insiste
Cass. Parece um disco arranhado, repetindo a mesma sugestão absurda toda vez
que terminamos de repassar nosso dueto.
Considero-me uma pacifista. Não acredito em resolver problemas na base da
violência. Para mim, lutas organizadas são uma verdadeira barbárie, e a ideia de
uma guerra me dá náuseas.
No entanto, estou a um passo de dar um murro na cara de Cassidy Donovan.
“A nota é baixa demais para mim”, digo, com firmeza, mas é impossível
esconder a irritação.
Frustrado, Cass ajeita o cabelo escuro ondulado com uma das mãos e se vira
para Mary Jane, que está inquieta, pouco à vontade, na banqueta do piano. “Você
sabe que tenho razão, M.J.”, implora a ela. “Vamos criar muito mais impacto se
terminarmos na mesma nota, em vez de seguir a harmonização.”
“Pelo contrário, o impacto vai ser muito maior com a harmonização”,
argumento.
Estou prestes a arrancar os cabelos. Sei exatamente o que Cass está tramando.
Quer que a música termine na nota dele. Desde que a gente resolveu se juntar para
o festival de inverno, ele tem aprontado esse tipo de coisa, fazendo o possível para
ressaltar a própria voz e me colocar de escanteio.
Se eu soubesse a diva que o cara é, teria corrido desse dueto como o diabo foge
da cruz, mas o filho da mãe resolveu só mostrar a que veio depois que começamos
os ensaios, e agora é tarde demais para pular fora. Investi muito neste número e,
para falar a verdade, sou completamente apaixonada pela música. Mary Jane
escreveu uma canção fantástica, e parte de mim não está com a menor vontade de
decepcioná-la. Além do mais, tenho provas concretas de que a faculdade prefere
duetos a solos, porque as últimas quatro apresentações dignas de bolsa foram
duetos. Os juízes ficam loucos com harmonias complexas, o que essa composição
tem de sobra.
“M.J.?”, insiste Cass.

“Hmm…”
Dá para ver a loura mignon praticamente se derretendo sob o olhar magnético
de Cass. O sujeito tem esse poder sobre as mulheres. É bonito de doer, além de ter
uma voz fenomenal. Infelizmente, tem total consciência de ambas as qualidades e
nenhum escrúpulo em usá-las a seu favor.
“Talvez Cass tenha razão”, murmura M.J., evitando meus olhos ao me trair. “Por
que a gente não tenta o mi maior, Hannah? Só uma vez, para ver qual dos dois
funciona melhor.”
Até tu, Brutus?!, tenho vontade de gritar, mas mordo a língua. Como eu, faz
semanas que M.J. tem sido forçada a lidar com as exigências absurdas de Cass e
suas ideias “geniais”, e ela não tem culpa de se esforçar para encontrar uma
solução.
“Certo”, resmungo. “Vamos tentar.”
O triunfo brilha nos olhos de Cass, mas não se demora por ali, porque quando
terminamos a música, fica óbvio que a sugestão dele é uma bela porcaria. A nota é
baixa demais para mim e, em vez de realçar a deslumbrante voz barítono do meu
par, me faz soar tão desafinada que desvia a atenção dele.
“Acho melhor Hannah continuar na nota original.” Mary Jane ergue o olhar
para Cass e morde o lábio inferior, como se temesse a reação dele.
Embora seja arrogante, Cass não é burro. “Tudo bem”, retruca. “A gente faz do
seu jeito, Hannah.”
Cerro os dentes. “Obrigada.”
Felizmente, nosso tempo acaba e temos de liberar a sala de ensaios para uma
das aulas do primeiro ano. Ansiosa para sair dali, pego depressa minha partitura e
visto meu casaco de lã. Quanto menos tempo perto de Cass, melhor.
Nossa, não suporto esse cara.
Ironicamente, estamos ensaiando uma canção de amor.
“Mesmo horário amanhã?” Ele me fita, esperando a resposta.
“Não, amanhã é às quatro, lembra? Trabalho toda quinta à noite.”
Seu rosto se cobre de desgosto. “A gente já teria essa música na ponta da língua,
sabe, se a sua agenda não fosse tão… concorrida.”
Arqueio uma das sobrancelhas. “Disse o cara que se recusa a ensaiar nos fins de
semana. Porque eu estou disponível tanto nas noites de sábado quanto de
domingo.”
Cass faz uma careta e vai embora sem dizer uma palavra.
Babaca.
Deixo escapar um suspiro profundo. Então me viro e percebo que M.J. continua

no piano, ainda mordendo o lábio inferior.
“Sinto muito, Hannah”, diz, baixinho. “Quando chamei vocês para cantar minha
música, não achei que Cass seria tão difícil.”
Minha irritação desaparece quando percebo o quanto ela está chateada. “Ei, não
é culpa sua”, tranquilizo-a. “Também não imaginei que ele pudesse ser tão filho
da mãe. Mas o cara não deixa de ser um cantor excepcional, então vamos tentar
nos concentrar nisso, tá?”
“Você também é uma cantora excepcional. Por isso escolhi vocês dois. Não
poderia imaginar mais ninguém dando vida a essa música, sabe?”
Sorrio para ela. É um doce de pessoa, sem contar que é uma das compositoras
mais talentosas que já conheci. Todas as músicas do festival têm de ser escritas
por um aluno do curso de composição musical, e, antes mesmo de M.J. vir falar
comigo, já planejava pedir para usar uma das canções dela.
“Prometo que vou fazer jus à sua música, M.J. Não liga pros chiliques do Cass.
Acho que ele só discute pelo prazer de discutir.”
Ela ri. “É, deve ser. Até amanhã.”
“Até. Quatro em ponto.”
Aceno de leve, saio da sala e sigo em direção à rua.
Uma das coisas que mais gosto na Briar é o campus. Os prédios antigos e
cobertos com eras se conectam aos outros por caminhos de paralelepípedos
ladeados por olmos enormes e bancos de ferro forjado. A universidade é uma das
primeiras do país, e o rol de ex-alunos ostenta dezenas de pessoas influentes,
inclusive mais de um presidente.
Mas a melhor coisa na Briar é a segurança. É sério, a taxa de criminalidade é
quase zero, o que provavelmente tem muito a ver com a dedicação do reitor
Farrow. A universidade investe uma tonelada de dinheiro nisso, mantendo
câmeras estrategicamente posicionadas e guardas patrulhando o campus vinte e
quatro horas por dia. Para ser sincera, mal reparo neles quando estou circulando
por aí.
Meu alojamento fica a cinco minutos do prédio de música, e suspiro aliviada
quando passo pelas imensas portas de carvalho da Bristol House. Foi um dia
longo, e tudo o que quero é tomar um banho quente e me arrastar para a cama.
O dormitório que divido com Allie parece mais uma suíte do que um quarto de
alojamento normal, e essa é uma das vantagens de estar na segunda metade do
curso. Temos dois quartos, uma pequena área comum e até uma cozinha —
menor ainda. O único ponto negativo é que precisamos dividir o banheiro com as
outras quatro meninas do nosso andar, mas, por sorte, nenhuma delas é

bagunceira, então as privadas e os chuveiros em geral estão brilhando de limpos.
“Ei. Você demorou hoje”, diz Allie da porta do meu quarto, sugando o
canudinho do copo em sua mão. Está bebendo algo verde, grosso e absolutamente
repugnante, mas é uma visão à qual aprendi a me acostumar. Faz duas semanas
que minha colega de alojamento virou “a louca dos sucos”, o que significa que,
toda manhã, acordo com o barulho ensurdecedor do liquidificador, enquanto ela
prepara a bebida-refeição nojenta do dia.
“Tive ensaio.” Chuto os sapatos para um canto e jogo o casaco na cama, então
começo a tirar a roupa até ficar só de calcinha e sutiã, apesar de Allie ainda estar
junto à porta.
Teve uma época em que eu era tímida demais para ficar nua na frente dela.
Quando dividíamos um quarto duplo no primeiro ano, passei as primeiras
semanas trocando de roupa debaixo da coberta ou esperando que Allie saísse do
quarto. Mas o negócio é que, na faculdade, não existe isso de privacidade, e mais
cedo ou mais tarde você tem de aceitar esse fato. Ainda me lembro da vergonha
que senti quando vi os peitos de Allie, mas ela não tem o menor pudor — quando
notou que eu estava olhando, deu uma piscadinha e disse: “Tá tudo em cima, né?”.
Depois disso, parei de me vestir debaixo da coberta.
“Então…”
A casualidade com que ela abre a conversa me faz levantar a guarda. Tem dois
anos que moro com Allie. Tempo o suficiente para saber que quando ela começa
uma frase com “Então…” lá vem alguma coisa que não quero ouvir.
“O quê?”, pergunto, pegando meu roupão pendurado atrás da porta.
“Vai ter uma festa na casa Sigma na quarta à noite.” Seus olhos azuis adquirem
um brilho fixo. “Você vai comigo.”
Solto um gemido. “Uma festa de fraternidade? Nem pensar.”
“Ah, vai sim.” Ela cruza os braços. “As provas já acabaram, não tem desculpa. E
você me prometeu fazer um esforço para ser mais sociável este ano.”
Eu tinha mesmo prometido aquilo, mas… o problema é o seguinte: odeio festas.
Fui estuprada numa festa.
Nossa, como detesto essa palavra. Estupro. É uma das poucas que causam aquele
efeito de nó nas vísceras quando você ouve. Feito um tapa estalado na cara ou o
choque de um banho de água gelada na sua cabeça. É feia e desmoralizante, e faço
uma força tremenda para não deixar isso controlar a minha vida. Já trabalhei em
minha mente o que aconteceu comigo. Pode acreditar, trabalhei mesmo.
Sei que não foi minha culpa. Sei que não provoquei nem fiz nada para causar o
que aconteceu. E isso não sepultou minha habilidade de confiar nas pessoas ou

me fez temer todos os homens que cruzam meu caminho. Anos de terapia me
ajudaram a enxergar que o peso da responsabilidade é inteiramente dele. E não
meu. Nem por um segundo. E a lição mais importante que aprendi é que não sou
uma vítima, mas uma sobrevivente.
Mas isso não quer dizer que a agressão não tenha me modificado. Não há
dúvidas de que mudei. Existe um motivo pelo qual carrego spray de pimenta na
bolsa e deixo o número de emergência na discagem automática do celular, caso
esteja andando sozinha à noite. Existe um motivo pelo qual não bebo em público
nem aceito bebidas de ninguém, nem mesmo de Allie, porque sempre há a chance
de ela me passar sem querer um copo batizado.
E existe um motivo pelo qual não vou a festas. Acho que é a minha versão do
transtorno de estresse pós-traumático. Um som, um cheiro ou um vislumbre de
algo inofensivo traz à tona as memórias. Ouço a música alta e o burburinho de
gente conversando e rindo. Sinto o cheiro de cerveja velha e suor. Estou no meio
de uma multidão. E, de repente, tenho quinze anos de novo e estou na festa de
Melissa Mayer, presa em meu próprio pesadelo.
Allie alivia o tom ao ver a aflição em meu rosto. “A gente já fez isso antes, HanHan. Vai ser como antigamente. Não vou tirar os olhos de você, e não vamos
beber uma gota sequer. Prometo.”
A vergonha faz meu estômago revirar. Vergonha e arrependimento, além de
uma pitada de espanto, porque, cara, ela é mesmo uma amiga inacreditável. Allie
não precisa ficar sóbria nem me vigiar de perto para me deixar à vontade, e, ainda
assim, é exatamente o que ela faz toda vez que saímos. E é por isso que adoro essa
menina.
Mas, ao mesmo tempo, odeio que ela tenha de ter todos esses cuidados comigo.
“Tudo bem”, dou o braço a torcer, não apenas por ela, mas por mim também. É
verdade que prometi a ela que seria mais sociável, e também jurei a mim mesma
que faria um esforço para tentar fazer coisas diferentes este ano. Relaxar um pouco
e parar de ter tanto medo do desconhecido. Uma festa de fraternidade pode não
ser a minha opção preferida de lazer, mas quem sabe não acabo me divertindo.
O rosto de Allie se ilumina. “Oba! Nem precisei usar meu trunfo.”
“Que trunfo?”, pergunto desconfiada.
Um sorriso se delineia nos cantos de seus lábios. “Justin vai estar lá.”
Meu pulso dispara. “Como você sabe?”
“Sean e eu encontramos com ele no refeitório, e ele disse que vai. Acho que
vários dos trogloditas do time já estavam planejando ir.”
Faço uma cara feia. “Ele não é um troglodita.”

“Ahn, que bonitinha, defendendo um jogador de futebol americano. Espera aí,
deixa eu ver se tem alguma vaca tossindo ali fora.”
“Muito engraçado.”
“Sério, Han, é esquisito. Não me leve a mal, acho o máximo você estar a fim de
alguém. Já faz, o quê, um ano desde que você e Devon terminaram? Só não
entendo como você, entre todas as pessoas, possa ter se interessado por um atleta.”
O desconforto sobe por minha coluna. “Justin não é… como os outros. Ele é
diferente.”
“Disse a menina que nunca trocou uma palavra com ele.”
“Ele é diferente”, insisto. “É quieto, sério e, pelo que pude perceber, não pega
qualquer coisa que use saia igual aos colegas do time. Ah, e é inteligente… Semana
passada estava lendo Hemingway no jardim da faculdade.”
“No mínimo, alguma leitura obrigatória.”
“É nada.”
Ela franze a testa. “Como você sabe?”
Sinto as bochechas corarem. “Uma menina perguntou na sala outro dia, e ele
disse que Hemingway era o autor de que mais gostava.”
“Ai, meu Deus. Você deu para bisbilhotar a conversa dos outros agora? Que
coisa de psicopata.” Ela deixa escapar um suspiro. “Certo, fechado. Quarta à noite
você vai estabelecer uma conversa de verdade com o cara.”
“Talvez”, digo, sem querer me comprometer. “Se acabar rolando…”
“Eu vou dar um jeito de acontecer. Sério. Não vamos sair daquela república até
você falar com Justin. Não quero nem saber se vai ser só ‘Oi, tudo bem’. Você vai
falar com ele.” Ela ergue o indicador no ar. “Capisce?”
Deixo escapar um risinho.
“Capisce?”, repete, com firmeza.
Depois de um segundo, solto um suspiro me rendendo. “Capisco.”
“Ótimo. Agora anda logo com esse banho pra gente poder ver uns dois
episódios de Mad Men antes de dormir.”
“Um episódio. Estou muito exausta para mais do que isso.” E abro um sorriso
para ela. “Capisce?”
“Capisco”, resmunga, antes de sair, saltitante, do meu quarto.
Sorrio comigo mesma e pego o restante das coisas para tomar banho, quando
surge outra distração — mal deixei o quarto e ouço um gato miar dentro da
minha bolsa. Escolhi o lamento estridente como toque de mensagem porque é o
único irritante o suficiente para chamar minha atenção.
Coloco meus itens de banho na cômoda, vasculho a bolsa até achar o celular e

dou uma olhada na mensagem na tela.
Oi, é o Garrett. Queria confirmar os detalhes sbr as aulas partcl.
Ah, não acredito!
Não sei se tenho vontade de rir ou de chorar. O cara é determinado, nisso tenho
de dar o braço a torcer. Suspirando, digito uma resposta rápida e nem um pouco
gentil.
Eu: Como vc conseguiu esse num?
Ele: Lista d chamada grp d estudos.
Droga. Eu tinha me inscrito no grupo no início do semestre, mas isso foi antes
de Cass e eu decidirmos que tínhamos de ensaiar segundas e quartas na hora exata
do grupo de estudos.
Outra mensagem aparece na tela antes que eu possa responder, e quem disse
que é impossível inferir o tom de voz de uma pessoa por um torpedo estava
definitivamente errado. Porque o tom de Garrett é irritante no último nível.
Ele: Se vc tivesse aparecido no grp, eu n precisaria mandar msg.
Eu: E vc continua n precisando me mandar msg. Na vdd, preferia q n tivesse mandado.
Ele: O q vc precisa p dizer sim?
Eu: Absolutamente nada.
Ele: Ótimo. Então pode fazer d graça.
O suspiro que estava reprimindo me escapa.
Eu: Vai sonhando.
Ele: Q tal amanhã d noite? Estou livre às 8.
Eu: Não posso. Peguei gripe espanhola. Altamente contagiosa. Acabo d salvar sua vida,
cara.
Ele: Ah, obrigado pela preocupação. Mas sou imune a pandemias q dizimaram quarenta
milhões de pessoas de 1918 a 1919.
Eu: Como q vc sabe tnt assim d pandemias?
Ele: Sou aluno d história, gata. Sei um monte d coisas inúteis.
Eca, lá vem ele de novo com esse negócio de gata. O.k., está mais do que na
hora de pôr um fim nisso.
Eu: Bem, mt bom falar c/ vc. Boa sorte na segunda chamada.
Depois de vários segundos sem nenhuma resposta de Garrett, dou um high five
mentalmente em mim mesma por ter me livrado do sujeito de uma vez por todas.
Estou quase na porta, quando uma mensagem de foto mia no meu celular.
Contradizendo o bom senso, faço o download da imagem e, um segundo depois,
um peito nu invade a tela. Isso mesmo. Um peitoral liso, musculoso, bronzeado e
o tanquinho mais seco que já vi.

Não consigo deixar de bufar alto.
Eu: Tá maluco?! Vc acabou d me mandar uma foto do seu peito!
Ele: Mandei. Ajudou?
Eu: A me espantar mais ainda? Sim. Parabéns!
Ele: A mudar d ideia. Tô tentando t convencer.
Eu: Tô fora. Vai tentar essa estratégia com outra. PS: a foto vai pro my-bri.
Estou falando, claro, do MyBriar, o equivalente ao Facebook na universidade.
Noventa e cinco por cento dos alunos estão lá.
Ele: Beleza. Um monte d meninas vai gostar d ter uma imagem p lembrar na hora d dormir.
Eu: Deleta meu número, cara. Tô falando sério.
Não espero a resposta. Só jogo o celular na cama e vou tomar meu banho.

4

HANNAH
A universidade fica a oito quilômetros da cidade de Hastings, em Massachusetts,
que só tem uma rua principal e umas duas dúzias de lojas e restaurantes. O lugar
é tão pequeno que é um milagre eu ter conseguido um trabalho de meio período
ali, e agradeço a Deus por isso todos os dias, porque a maioria dos alunos é
obrigada a dirigir uma hora até Boston se quiser trabalhar durante o ano letivo.
Para mim, é uma viagem de dez minutos de ônibus — ou cinco, se for de carro —
até o Della’s, a lanchonete em que trabalho como garçonete desde o primeiro ano
da faculdade.
Esta noite a sorte está do meu lado: vim de carro. Tenho um combinado com
Tracy, uma das meninas no nosso andar. Ela me deixa usar o carro quando não
precisa, desde que eu devolva com o tanque cheio. É o acordo perfeito,
principalmente no inverno, quando tudo fica coberto de neve, parecendo um
rinque de patinação.
Não morro de amores pelo meu trabalho, mas também não odeio o que faço.
Paga bem e é perto do campus, não tenho do que reclamar.
Esquece que falei isso… Hoje tenho todo o direito do mundo de reclamar.
Porque trinta minutos antes do fim do expediente, vejo Garrett Graham numa das
mesas do meu setor.
Sério?
O cara não desiste nunca?
Não estou com a menor vontade de atendê-lo, mas não tenho escolha. Lisa, a
outra garçonete, está ocupada tirando o pedido de um grupo de professores numa
mesa do outro lado do salão, e minha chefe, Della, está atrás do balcão azul bebê
de fórmica, servindo fatias de torta de nozes para três calouras sentadas nos
bancos giratórios à sua frente.
Fecho a cara e caminho até Garrett, deixando minha insatisfação bem evidente
ao encarar seus olhos cinzentos reluzentes. Ele passa os dedos pelos cabelos
escuros e abre um sorriso torto.
“Oi, Hannah. Que prazer encontrar você aqui.”

“Imenso”, murmuro, puxando o bloco de pedidos do bolso do avental. “O que
vai querer?”
“Uma professora particular.”
“Desculpa, está em falta.” Sorrio, com gentileza. “Mas a torta de nozes é uma
delícia.”
“Sabe o que fiz na noite passada?”, ele pergunta, ignorando meu sarcasmo.
“Sei. Ficou enchendo o meu saco com aquelas mensagens.”
Ele revira os olhos. “Quis dizer antes disso.”
Finjo pensar um pouco. “Hmm… pegou uma líder de torcida? Não, pegou o
time feminino de hóquei. Não, espera, vai ver elas não são fúteis o suficiente para
você. Vou ficar com a primeira opção… líder de torcida.”
“No caso, uma garota de fraternidade”, responde, convencido. “Só que queria
dizer antes disso.” Ele ergue uma das sobrancelhas escuras. “Mas tô muito
intrigado com seu interesse na minha vida sexual. Posso dar mais detalhes uma
outra hora, se você quiser.”
“Não quero.”
“Outra hora”, repete ele, num tom desdenhoso, juntando as mãos sobre o tecido
xadrez azul e branco da toalha de mesa.
Garrett tem os dedos longos, as unhas curtas e as juntas ligeiramente
avermelhadas e arranhadas. Me pergunto se andou brigando recentemente, mas
logo me dou conta de que deve ser por causa do hóquei.
“Eu tava no grupo de estudos”, me informa ele. “Tinha mais oito pessoas lá, e
sabe qual era a nota mais alta?” Ele praticamente cospe a resposta antes que eu
possa tentar adivinhar. “Seis. E nossa média combinada era de quatro. Como vou
passar na segunda chamada se tô estudando com gente tão burra quanto eu?
Preciso de você, Wellsy.”
Wellsy? Isso foi um apelido? Como ele sabe que meu sobrenome é Wells?
Nunca disse… argh! A porcaria da lista de chamada.
Garrett nota meu olhar surpreso e arqueia as sobrancelhas novamente. “Aprendi
um monte de coisas sobre você no grupo de estudos. Seu telefone, seu nome
completo, até onde você trabalha.”
“Parabéns, você é mesmo um psicopata.”
“Não, só sou meticuloso. Gosto de conhecer meu adversário.”
“Ai, meu santo! Não vou dar aula para você, entendeu? Vai encher o saco de
outro.” E aponto para o cardápio diante dele. “Quer pedir alguma coisa? Porque se
não quiser, por favor, vai embora e me deixa trabalhar em paz.”
“Ai, meu santo?” Garrett dá uma risadinha antes de pegar o cardápio laminado e

passar os olhos superficialmente. “Vou querer um sanduíche de peru.” Ele baixa o
cardápio, mas logo em seguida o levanta novamente. “E um hambúrguer duplo
com bacon. Só o hambúrguer, sem batata frita. Quer dizer, mudei de ideia… vou
querer batata frita sim. Ah, e onion rings de acompanhamento.”
Meu queixo quase bate no chão. “Vai comer tudo isso?”
Ele sorri. “Claro. Sou um menino em fase de crescimento.”
Menino? Tá bom. Só agora me dou conta — provavelmente porque estava
distraída demais com o quão insuportável ele consegue ser —, mas Garrett
Graham é um homem completo. Não tem nada de menino, nem nas feições
esculpidas, na altura ou no peito musculoso, que, de repente, me volta à memória
na imagem da foto que me mandou.
“Também vou querer uma fatia da torta de nozes. E, para beber, um Dr. Pepper.
Ah, e umas aulas particulares.”
“Estão em falta”, digo, animada. “Mas o resto é pra já.”
Antes que ele consiga argumentar, me afasto da mesa e vou até o balcão dos
fundos para passar o pedido para Julio, o cozinheiro da noite. Um microssegundo
depois, Lisa corre na minha direção e sussurra:
“Ai, meu Deus. Você sabe quem ele é, não sabe?”
“Sei.”
“É Garrett Graham.”
“Isso aí”, respondo, secamente. “Por isso que eu disse sei.”
Lisa parece chocada. “Qual é o seu problema? Por que você não tá tendo um
troço? Garrett Graham tá sentado no seu setor da lanchonete. Ele falou com você.”
“Minha nossa, falou? Quero dizer, os lábios dele se moveram, mas não tinha
percebido que estava falando.”
Reviro os olhos e vou até a área de bebidas pegar o refrigerante de Garrett. Não
olho na direção dele, mas posso sentir seus olhos cinzentos acompanhando cada
movimento meu. No mínimo está mandando ordens telepáticas para que eu aceite
dar as aulas particulares. Bom, problema dele. De jeito nenhum vou gastar o
pouco tempo livre que tenho com um jogador de hóquei universitário que se acha
um astro do rock.
Lisa vem atrás de mim, alheia ao meu sarcasmo e ainda arrebatada por Garrett.
“Ele é maravilhoso. Inacreditavelmente maravilhoso.” Sua voz vira quase um
sussurro. “E ouvi dizer que é tudo na cama.”
Solto um riso de desdém. “Talvez ele mesmo tenha espalhado a fofoca.”
“Não, foi Samantha Richardson que me falou. Ela ficou com ele no ano passado,
na festa da casa Theta. Disse que foi o melhor sexo da vida dela.”

Não tenho resposta, porque não estou nem aí para a vida sexual de uma menina
que nem conheço. Limito-me a dar de ombros e pegar o refrigerante na geladeira.
“Quer saber? Por que você não o atende?”
Pelo modo como Lisa arfa, é como se eu estivesse oferecendo um cheque de
cinco milhões de dólares a ela. “Tem certeza?”
“Claro. É todo seu.”
“Ai, meu Deus.” Minha colega dá um passo à frente como se fosse me abraçar,
mas logo em seguida volta o olhar na direção de Garrett e repensa a possibilidade
de externar a alegria terrivelmente injustificada. “Fico devendo essa, Han.”
Minha vontade é dizer que, na verdade, ela está me fazendo um favor, mas Lisa
já disparou na direção da mesa para servir seu príncipe. Assisto, divertida, à
expressão de Garrett se anuviar à medida que minha colega se aproxima. Garrett
pega o copo que ela pousa diante dele, então ergue os olhos para mim e acena de
leve com a cabeça.
Como quem diz “Não vai ser tão fácil se livrar de mim”.

GARRETT
Ela não vai se livrar tão fácil de mim.
Está na cara que Hannah Wells não conhece muitos atletas. Somos pessoas
obstinadas, e a principal coisa que temos em comum? Nunca, jamais desistimos.
Tenho fé que vou convencer essa menina a me dar aulas, nem que tenha que
morrer tentando.
Mas agora que Hannah me passou para a outra garçonete, vai demorar até ter
outra oportunidade de advogar a meu favor. Suporto o flerte descarado e o
interesse não dissimulado da morena de cabelos cacheados que está me servindo,
mas, apesar de ser educado com ela, não flerto de volta.
Esta noite só estou interessado em Hannah, e fixo os olhos nela enquanto
circula pelo salão. Não duvido nada que resolva fugir enquanto eu não estiver de
olho.
Para ser sincero, o uniforme dela é bem sexy. Vestido azul-claro de colarinho
branco e botões grandes na frente, e um avental curtinho em volta da cintura.
Parece uma roupa saída de Grease, o que faz sentido, já que Della’s é uma
lanchonete de temática anos 50. Posso facilmente imaginar Hannah Wells naquela
época. O cabelo escuro na altura dos ombros tem um leve ondular, e a franja está
presa de lado com uma presilha azul, dando um ar antiquado.

Enquanto a assisto trabalhar, fico imaginando qual será sua história. Perguntei
às pessoas do grupo de estudos, mas ninguém sabia muita coisa. Um cara disse
que é de uma cidade pequena no Centro-Oeste. Outro, que namorou um membro
de uma banda durante todo o segundo ano. Tirando esses dois míseros detalhes, a
menina é um mistério completo.
“Mais alguma coisa?”, pergunta minha garçonete, ansiosa.
Ela me olha como se eu fosse uma espécie de celebridade ou sei lá o quê, mas
estou acostumado com a atenção. Fato: quando você é capitão de um time de
hóquei universitário de primeira divisão que ganhou dois títulos consecutivos, as
pessoas sabem quem você é. E as mulheres querem transar com você.
“Não, obrigado. Só a conta, por favor.”
“Ah.” Sua decepção é patente. “Claro. É pra já.”
Antes de se afastar, faço uma pergunta ríspida. “Sabe quando o turno da Hannah
acaba?”
Seu olhar de desilusão se transforma em surpresa. “Por quê?”
“Estamos numa aula juntos. Queria falar com ela sobre um trabalho.”
A morena relaxa o rosto, mas um lampejo de suspeita permanece em seus
olhos. “Na verdade, já acabou, mas ela só pode ir embora quando a mesa dela
também for.”
Dou uma olhada na única outra mesa ocupada da lanchonete, com um casal de
meia-idade. O homem acabou de pegar a carteira, enquanto a esposa está
examinando a conta através de óculos com aro de tartaruga.
Pago por minha comida, digo tchau para a garçonete e saio para esperar por
Hannah. Cinco minutos depois, o casal mais velho caminha para fora da
lanchonete. Um minuto depois, Hannah aparece, mas se me viu rondando a porta,
não transparece nada. Simplesmente abotoa o casaco e caminha em direção à
lateral do prédio.
Não perco tempo correndo atrás dela. “Wellsy, espere.”
Ela olha por cima do ombro, franzindo a testa profundamente. “Pelo amor de
Deus, não vou dar aulas para você.”
“Vai sim.” Dou de ombros. “Só preciso descobrir o que você quer em troca.”
Hannah gira feito um tornado de cabelo preto. “O que eu quero é não dar aula
para você. É isso que quero.”
“Tudo bem, então tá na cara que você não quer dinheiro”, penso em voz alta,
como se ela não tivesse falado isso antes. “Tem que ter outra coisa.” Reflito por
um instante. “Álcool? Baseado?”
“Não e não, cai fora.”

Ela volta a caminhar, o tênis branco batendo na calçada com força, à medida
que se aproxima do cascalho do estacionamento na lateral da lanchonete. Dispara
sem perder tempo na direção de um Toyota hatch prateado, parado ao lado do meu
Jeep.
“Tudo bem. Acho que você não liga para esse tipo de entretenimento.”
Sigo-a até o assento do motorista, mas ela me ignora por completo, abre a porta
e joga a bolsa no banco do carona.
“Que tal um encontro?”, sugiro.
Isso parece despertá-la. Hannah se endireita como se alguém tivesse enfiado
uma barra de metal ao longo de sua coluna, então se vira para mim, incrédula. “O
quê?”
“Ah. Consegui sua atenção.”
“Não, conseguiu o meu desgosto. Você acha que quero sair com você?”
“Todo mundo quer sair comigo.”
Hannah dá uma gargalhada.
Talvez eu devesse me sentir insultado pela reação, mas gosto do som da risada
dela. Tem certa qualidade musical, um tom rouco que tremula no meu ouvido.
“Só por curiosidade”, sugere, “quando você acorda de manhã, se admira no
espelho por uma hora ou duas?”
“Duas”, respondo, animado.
“E dá um high five no seu próprio reflexo?”
“Claro que não.” Dou uma risadinha. “Beijo cada um dos meus bíceps, aponto
para o teto e agradeço ao camarada lá de cima por criar um espécime tão perfeito.”
Ela solta o ar com desdém. “Ah, tá. Bom, sinto muito por quebrar a sua cara, sr.
Perfeito, mas não tô interessada em sair com você.”
“Acho que você não entendeu, Wellsy. Não quero uma ligação amorosa com
você. Sei que você não tá a fim. Se isso a deixa feliz, também não tô.”
“Isso me deixa mesmo muito feliz. Tava começando a me preocupar que eu
fosse de fato o seu tipo, e é uma ideia aterrorizante demais de conceber.”
Quando tenta entrar no carro, agarro a porta para mantê-la aberta. “Tô falando
de imagem”, explico.
“Imagem”, repete ela.
“É. Você não seria a primeira menina a sair comigo para aumentar a
popularidade. Acontece o tempo todo.”
Hannah ri de novo. “Tô perfeitamente satisfeita com a minha posição na
hierarquia social, mas muito obrigada por se oferecer para ‘aumentar minha
popularidade’. Muito gentil da sua parte, Garrett. Mesmo.”

A frustração dá um nó em minha garganta. “O que você precisa para mudar de
ideia?”
“Nada. Você tá perdendo seu tempo.” Ela balança a cabeça, parecendo tão
frustrada quanto eu. “Sabe de uma coisa, se você transferir toda essa dedicação em
me azucrinar para os estudos, vai tirar dez na prova.”
Hannah empurra minha mão, senta no banco e bate a porta. Um segundo
depois, o motor está rugindo, e, se eu não tivesse dado um passo para trás, ela
com certeza teria passado por cima do meu pé.
Será que Hannah Wells foi atleta em outra vida? Que mulher teimosa.
Com um suspiro, fito as lanternas vermelhas e tento pensar em meu próximo
passo.
Nada me vem à cabeça.

5

HANNAH
Allie mantém a palavra. Faz vinte minutos que chegamos à festa, e ela não
desgrudou de mim, apesar de o namorado estar implorando para dançar desde que
pusemos o pé aqui.
Estou me sentindo uma idiota.
“Tá bom, isso é ridículo. Vai dançar com Sean de uma vez.” Tenho de gritar
mais alto que a música — que, por incrível que pareça, até que é decente. Estava
esperando umas batidas de boate de quinta categoria ou um hip-hop vulgar, mas
quem quer que esteja cuidando do som parece ter alguma afinidade com rock
indie e punk inglês.
“Nem pensar!”, Allie grita de volta. “Vou ficar aqui, curtindo o som com você.”
Claro, porque ficar de tocaia junto da parede feito uma maníaca e me observar
agarrada à garrafa de água mineral que trouxe do alojamento é muito melhor do
que dançar com o namorado.
A sala está lotada de gente. Garotos e garotas de fraternidade aos montes, mas há
muito mais variedade do que o normal nesse tipo de evento. Vejo alguns alunos
de teatro em volta da mesa de sinuca. Meninas do hóquei de grama conversando
junto à lareira. Um grupo de rapazes que tenho certeza que são do primeiro ano
perto do bar. Os móveis foram todos empurrados contra as paredes forradas de
painéis de madeira para dar espaço para a pista de dança no centro da sala. Para
onde quer que olhe, vejo gente dançando, rindo e falando besteira.
E a pobre Allie está grudada em mim feito velcro, incapaz de aproveitar um
segundo da festa a que ela queria vir.
“Anda”, insisto. “É sério. Você não vê Sean desde que as provas começaram.
Merece um pouco de tempo livre com seu homem.”
Ela hesita.
“Vou ficar bem. Katie e Shawna estão bem aqui… Vou conversar com elas um
pouco.”
“Tem certeza?”
“Claro. Vim aqui para socializar, lembra?” Sorrindo, dou um tapinha em sua

bunda. “Sai pra lá, gata.”
Ela sorri de volta e começa a se afastar, em seguida pega o iPhone e acena para
mim. “Manda um S.O.S. se precisar de alguma coisa”, grita. “E nem pense em ir
embora sem me avisar!”
A música encobre minha resposta, mas ela me vê acenando antes de se virar.
Observo seu cabelo louro movendo-se entre a multidão, e ela logo está ao lado de
Sean, que, feliz, a leva para o meio da multidão na pista.
Viu só? Também posso ser uma boa amiga.
Só que agora estou sozinha, e as duas meninas a quem planejava me juntar estão
falando com outros dois garotos bem bonitinhos. Não quero interromper o
festival do flerte, então procuro em meio à aglomeração algum conhecido — até
Cass seria um alento para meus olhos cansados neste momento —, mas não vejo
ninguém familiar. Contendo um suspiro, me encolho em meu cantinho e passo
alguns minutos observando as pessoas.
Depois de vários caras olharem na minha direção com interesse descarado, me
recrimino por ter deixado Allie escolher minha roupa para a festa. O vestido está
longe de ser indecente, bate no joelho e tem um decote comportado, mas marca
minhas curvas mais do que eu gostaria, e os saltos pretos com que completei o
visual fazem minhas pernas parecerem bem mais longas do que de fato são. Não
discuti, porque queria chamar a atenção de Justin, mas, em minha aflição por
despontar no radar dele, não pensei nos outros radares todos em que poderia
aparecer, e essa atenção toda me deixa nervosa.
“Ei.”
Viro a cabeça e acompanho um garoto bonitinho de cabelos castanhos
ondulados e olhos azul-claros caminhando na minha direção. Está de camisa polo,
segurando um copo de plástico vermelho na mão, e sorri para mim como se nos
conhecêssemos.
“Hmm. Oi”, respondo.
Quando percebe minha expressão confusa, abre ainda mais o sorriso. “Sou
Jimmy. A gente faz literatura inglesa juntos, lembra?”
“Ah. Claro.” Sinceramente, não lembro de tê-lo visto antes, mas essa turma tem
uns duzentos alunos, então, depois de um tempo, todos os rostos se misturam.
“Você é Hannah, não é?”
Aceno, me ajeitando, desconfortável, pois seu olhar já baixou para os meus seios
uma dezena de vezes nos cinco segundos em que estamos conversando.
Jimmy para, como se estivesse tentando pensar no que dizer. Nada me vem à
cabeça também, porque sou péssima em jogar conversa fora. Se tivesse algum

interesse nele, perguntaria sobre suas aulas, ou se trabalha, ou que tipo de música
ouve, mas o único cara por quem me interesso no momento é Justin… e ele ainda
não apareceu.
Eu me sinto uma total idiota procurando seu rosto na multidão. Verdade seja
dita, Allie não é a única que está estranhando meu comportamento. Também me
vejo diante da mesma dúvida, porque, sério, que obsessão é essa? O sujeito nem
sabe que existo. Além do mais, é um atleta. Que merda. Seria melhor me
interessar por Garrett Graham — pelo menos ele se ofereceu para sair comigo.
E adivinha? No segundo em que penso em Garrett, o diabo em pessoa entra na
sala.
Não achei que fosse vê-lo esta noite, e, na mesma hora, abaixo a cabeça para que
não note minha presença. Talvez, se me concentrar bastante, consiga me camuflar
de parede, e ele nem vai saber que estou aqui.
Por sorte, Garrett não repara em mim. Para e conversa com um grupo de
garotos, então caminha descontraído até o bar do outro lado da sala, onde, na
mesma hora, é cercado por meia dúzia de meninas piscando e empinando os
peitos para chamar a atenção.
Jimmy, ao meu lado, revira os olhos. “Nossa. O posto de fortão da universidade
não cansa, né?”
Percebo que também está acompanhando Garrett com os olhos e vejo o
desprezo patente em seu rosto. “Você não é muito fã de Graham?”, pergunto,
secamente.
“Quer saber a verdade ou a resposta oficial?”
“Resposta oficial?”
“Ele é membro desta fraternidade”, explica Jimmy. “O que, tecnicamente, faz de
nós irmãos.” Ele reforça a palavra desenhando aspas no ar. “E um membro da
Sigma ama todos os seus irmãos.”
É impossível não rir. “Certo, então essa foi a resposta oficial. E a verdade, qual
é?”
A música aumenta, então ele se aproxima de mim. Seus lábios estão a
centímetros de minha orelha, quando confessa: “Não suporto o cara. Tem um ego
maior do que esta casa”.
Ora, vejam só… encontrei um semelhante. Outra pessoa que não é fã de
carteirinha de Garrett.
Só que ele interpretou errado o sorriso de cumplicidade que ofereci, porque
suas pálpebras tornaram-se pesadas. “Então… quer dançar?”, pergunta, com a voz
mole.

Não quero. Nem um pouco. Mas quando abro a boca para dizer não, noto um
lampejo de cor preta no canto de minha visão. A camiseta de Garrett. Droga. Ele
me viu e está vindo na nossa direção. A julgar pelo passo determinado, está pronto
para duelar comigo de novo.
“Claro”, disparo, pegando depressa na mão de Jimmy. “Vamos dançar.”
Um sorriso lento se abre em seu rosto.
Ih… Talvez eu tenha soado empolgada demais.
Mas agora é tarde para mudar de ideia, porque ele está me levando em direção à
pista. E, que sorte a minha, a música muda no instante em que chegamos a ela.
Ramones dão lugar a Lady Gaga. E não é uma das faixas mais rápidas, mas a
versão lenta de “Poker Face”. Ótimo.
Jimmy pousa as mãos em meus quadris.
Um segundo depois, seguro seus ombros, relutante, e começamos a nos mover
ao som da música. É embaraçoso pra caramba, mas pelo menos consegui me
livrar de Garrett, que está nos encarando com a testa franzida, os dedos
envolvendo os passadores da calça jeans desbotada.
Quando nossos olhares se cruzam, abro um meio-sorriso e uma cara de “o que
posso fazer”, e ele semicerra os olhos, como se soubesse que só estou dançando
com Jimmy para não ter que falar com ele. Em seguida, uma loura bonita toca seu
braço, e ele interrompe nosso contato visual.
Jimmy vira a cabeça para ver para quem estou olhando. “Você conhece
Garrett?”, pergunta, soando um pouco mais que receoso.
Dou de ombros. “Faz uma aula comigo.”
“São amigos?”
“Não.”
“Bom saber.”
Garrett e a loura saem da sala, e, na mesma hora, me parabenizo pelo sucesso da
minha tática de evasão.
“Ele mora aqui com vocês?” Meu Deus, essa música não acaba, estou tentando
puxar papo porque me sinto obrigada a terminar a dança, depois de ter parecido
tão “animada”.
“Não, nem brinca”, responde Jimmy. “Mora fora do campus. Está sempre
tirando onda por causa disso, mas aposto que é o pai que paga o aluguel.”
Enrugo a testa. “Por que você diz isso? A família dele é rica ou algo assim?”
Jimmy parece surpreso. “Você não sabe quem é o pai dele?”
“Não. Por quê? Deveria saber?”
“Phil Graham.” Quando o vinco em minha testa se aprofunda, Jimmy explica.

“Atacante do New York Rangers? Duas vezes campeão da Copa Stanley? Lenda do
hóquei?”
O único time de hóquei de que já ouvi falar é o Chicago Blackhawks, e isso
porque meu pai é torcedor fanático e me faz assistir às partidas com ele. Portanto,
nunca ouvi falar num cara que jogou pelos Rangers há, o quê, vinte anos? Mas
não é surpresa saber que Garrett vem da realeza do esporte. O senso de
superioridade dele deve estar no sangue.
“Por que não fez faculdade em Nova York, então?”, pergunto, educadamente.
“O pai terminou a carreira em Boston”, explica Jimmy. “Imagino que a família
tenha decidido ficar em Massachusetts depois que ele se aposentou.”
Finalmente a música acaba, e invento a desculpa de que preciso usar o banheiro.
Jimmy me faz prometer dançar com ele de novo, então dá uma piscadinha e se
afasta para junto de um grupo que está jogando beer pong.
Como não quero que pense que menti a respeito do banheiro, sigo com a farsa
da vontade de fazer xixi, deixando a sala de estar para vagar pela sala de visitas por
um tempo, que é onde Allie me encontra, alguns minutos depois.
“Ei! Está se divertindo?” Seus olhos estão brilhando e tem as bochechas coradas,
mas sei que não estava bebendo. Allie prometeu se manter sóbria, e ela nunca
quebra suas promessas.
“É, acho que sim. Mas estava pensando em ir embora.”
“Ah, não, você não pode ir agora! Acabei de te ver dançando com o Jim Paulson.
Parecia estar se divertindo.”
Sério? Então sou melhor atriz do que tinha imaginado.
“Ele é bonitinho”, acrescenta ela, com um olhar sugestivo.
“Ah… não faz o meu tipo. Mauricinho demais.”
“Bom, eu sei de alguém que faz o seu tipo.” Allie mexe as sobrancelhas antes de
baixar a voz para um sussurro. “Não vire agora, mas ele acabou de entrar.”
Meu coração dispara feito uma pipa num tufão. Não vire agora? As pessoas não
entendem que dizer esse tipo de coisa é garantia de conseguir exatamente o
oposto?
Giro em direção a porta, então giro de volta para minha amiga, porque, ai, meu
Deus. Ela tem razão. Justin finalmente apareceu.
E já que a olhadela que dei foi rápida demais, preciso de Allie para conseguir
informações adicionais. “Está sozinho?”, murmuro.
“Está com alguns colegas do time”, sussurra ela de volta. “Mas nenhum deles
está acompanhado.”
Faço minha melhor interpretação de alguém apenas conversando com uma

amiga e que não tem nenhum interesse no cara a três metros de distância. E
funciona, porque Justin e os amigos passam direto por mim e por Allie, as risadas
altas logo encobertas pela música.
“Você está vermelha”, provoca ela.
“Eu sei.” Solto um gemido baixo. “Droga. Essa paixonite é tão idiota, A. Por que
você me deixa me envergonhar desse jeito?”
“Porque não vejo nada de idiota. E não tem vergonha nenhuma… é saudável.”
Ela pega meu braço e começa a me arrastar de volta para a sala de estar. O som da
música está mais baixo agora, mas o burburinho continua a ressoar pelo
ambiente. “Sério, Han, você é jovem e bonita, e quero que se apaixone. Não
importa por quem, desde que… Por que Garrett Graham está encarando você?”
“Ele está me seguindo”, resmungo.
Ela ergue as sobrancelhas. “Jura?”
“É, pois é. Está reprovando em ética e sabe que fui bem na prova, então quer
que eu dê aulas para ele. O cara não aceita ‘não’ como resposta.”
Ela prende o riso. “Acho que você deve ser a única que deu um fora nele.”
“Se o restante da população feminina fosse tão inteligente quanto eu…”
Olho por cima do ombro de Allie e vasculho a sala em busca de Justin, e meu
pulso dispara assim que o vejo perto da mesa de sinuca. Está de calça preta e um
suéter cinza e grosso de lã, o cabelo bagunçado cobrindo a testa larga. Nossa,
como adoro esse visual “acabei de acordar”. Não é cheio de gelzinho no cabelo
como os amigos, nem está usando a jaqueta do uniforme do time como os outros.
“Allie, traz essa bundinha linda de volta pra cá!”, grita Sean da mesa de pinguepongue. “Preciso de minha parceira de beer pong!”
Seu rosto se colore com um rubor bonito. “Quer ver a gente detonar na mesa de
pingue-pongue? Sem a cerveja”, acrescenta depressa. “Sean sabe que não tô
bebendo hoje.”
Sinto outra pontada de culpa. “Não tem a menor graça sem cerveja”, digo,
descontraída.
Ela faz que não com a cabeça, resoluta. “Prometi que não vou beber.”
“Não vou ficar muito mais mesmo”, argumento. “Então não tem por que você
não se divertir.”
“Mas quero que você fique”, reclama ela.
“E se a gente fizer assim: eu fico mais meia hora, mas só se você se permitir se
divertir de verdade? Sei que fizemos um acordo no primeiro ano, mas não quero
mais te atrapalhar, A.”
Falo do fundo do coração, porque realmente odeio que ela tenha de ficar de

babá toda vez que a gente sai. Não é justo. E depois de dois anos na Briar, está na
hora de relaxar, pelo menos um pouco.
“Anda, quero ver você exibindo essas habilidades no beer pong.” Engancho meu
braço no dela, que ri e me arrasta até Sean e seus amigos.
“Hannah!”, exclama Sean, animado. “Você vai jogar?”
“Não”, respondo. “Só vim torcer pra minha melhor amiga.”
Allie se junta a Sean de um dos lados da mesa, e, pelos próximos dez minutos,
assisto à partida mais intensa do planeta. Mesmo assim, não me desligo um
segundo da presença de Justin conversando com os amigos do time do outro lado
da sala.
Acabo me afastando, porque, enfim, realmente preciso usar o banheiro. Tem um
no segundo andar da casa, perto da cozinha, mas a fila está imensa, e demora uma
vida até a minha vez. Faço o que tenho de fazer depressa e saio do banheiro…
batendo de cara com um peito musculoso.
“Cuidado por onde anda”, uma voz rouca me repreende.
Meu coração para.
Os olhos escuros de Justin brilham divertidos, enquanto ele pousa a mão em
meu braço para me equilibrar. No instante em que me toca, um calor percorre
meu corpo e me deixa arrepiada.
“Desculpa”, gaguejo.
“Sem problemas.” Sorrindo, ele dá uma batidinha no próprio peito e acrescenta:
“Você não quebrou nada”.
De repente, me dou conta de que não há mais ninguém na fila do banheiro e
somos só eu e Justin no corredor. Deus do céu, ele é ainda mais bonito de perto. E
também muito mais alto do que eu tinha percebido — tenho de deitar a cabeça
para trás para conseguir encará-lo nos olhos.
“Você está na turma de ética comigo, não é?”, pergunta, em sua voz grave e
sensual.
Assinto com a cabeça.
“Justin”, se apresenta, como se houvesse alguém na Briar que não soubesse seu
nome. Mas acho a modéstia uma graça.
“Hannah.”
“Como foi na prova?”
“Dez”, admito. “E você?”
“Sete.”
Não consigo esconder a surpresa. “Sério? Então acho que somos sortudos. Todo
mundo se deu mal.”

“Acho que isso faz de nós inteligentes, não sortudos.”
Seu sorriso me faz derreter. Sem brincadeira. Sou uma poça de meleca no chão,
incapaz de me desviar daqueles olhos escuros e magnéticos. E que cheiro
maravilhoso, parece sabonete e loção pós-barba com essência de limão. Seria
muito estranho se eu enfiasse o rosto em seu pescoço para me sentir melhor?
Hmm… acho que sim. Seria.
“Então…” Tento pensar em algo inteligente ou interessante para falar, mas estou
muito nervosa para ser espirituosa no momento. “Você joga futebol americano,
né?”
Ele faz que sim. “No ataque. É uma fã?” Uma covinha surge em seu queixo. “Do
jogo, digo.”
Não sou, mas acho que posso mentir e fingir que gosto do esporte. O problema
é que é uma jogada arriscada, porque ele pode tentar puxar assunto comigo, e não
sei o suficiente para conduzir uma conversa inteira sobre futebol americano.
“Na verdade, não”, confesso, com um suspiro. “Já assisti a uma partida ou duas,
mas, para ser sincera, é devagar demais pro meu gosto. Parece que os jogadores
correm por cinco segundos, alguém sopra um apito, e eles ficam parados por
horas antes da próxima jogada.”
Justin ri. Tem uma risada fantástica. Baixa e rouca, e posso senti-la até o dedão
do pé. “É, já ouvi essa reclamação antes. Mas é diferente quando se está jogando.
Muito mais intenso do que você pode imaginar. E quando você se interessa por
um time ou alguns jogadores específicos, aprende as regras muito mais depressa.”
Ele deita a cabeça de lado. “Você deveria assistir a um de nossos jogos. Aposto que
iria se divertir.”
Caramba. Ele está me chamando para uma de suas partidas?
“Hmm, é, quem sabe eu…”
“Kohl!”, uma voz me interrompe. “Está na nossa vez!”
Nós dois viramos, e um gigante de cabelos louros passa a cabeça pela porta da
sala. É um dos colegas de time de Justin, está com uma expressão de total
impaciência.
“Já vou”, responde Justin. Em seguida, abre um sorriso arrependido ao dar um
passo na direção do banheiro. “Big Joe e eu precisamos mostrar para todo mundo
como que se joga sinuca, mas antes tenho que ir ao banheiro. Mais tarde a gente
se fala?”
“Claro”, respondo, casualmente. Mas não há nada de casual no jeito como meu
coração está disparado.
Assim que Justin fecha a porta atrás de si, corro para a sala de estar com as

pernas bambas. Estou doida para contar a Allie sobre o que acaba de acontecer,
mas não tenho oportunidade. No segundo em que entro na sala, me deparo com
os noventa quilos e os quase dois metros de Garrett Graham bloqueando meu
caminho.
“Wellsy”, diz, animado. “Você é a última pessoa que esperava ver aqui hoje.”
Como sempre, sua presença me faz ficar tensa de novo. “Ah, é? Por quê?”
Ele dá de ombros. “Não achei que festas de fraternidade fossem a sua cara.”
“Bom, você não me conhece, lembra? Talvez eu seja arroz de festa.”
“Mentirosa. Teria visto você antes.”
Ele cruza os braços sobre o peito, uma pose que faz os bíceps flexionarem.
Reparo na pontinha de uma tatuagem aparecendo debaixo da manga, mas não dá
para ver o que é, só que é preta e parece complexa. Chamas, talvez?
“E aí, sobre esse negócio das aulas… acho que a gente devia parar um minuto
para montar uma agenda.”
Uma onda de irritação sobe a minha coluna. “Você não desiste, não é?”
“Nunca.”
“Pois pode começar a desistir, porque não vou dar aula para você.” Estou
distraída. Justin voltou para a sala, o corpo alto e ágil movendo-se pela multidão
em direção à mesa de sinuca. Está na metade do caminho, quando uma morena
bonita o intercepta. Para minha surpresa, ele para e conversa com ela.
“Por favor, Wellsy, ajude o cara aqui”, implora Garrett.
Justin ri de algo que a menina disse. Do mesmo jeito que estava rindo para
mim há um minuto. E quando ela toca seu braço e se aproxima, ele não se afasta.
“Olha, se você não quiser se comprometer com o semestre inteiro, pelo menos
me ajude a passar na prova. Vou ficar te devendo essa.”
Já não estou mais prestando a menor atenção em Garrett. Justin se abaixa para
sussurrar junto à orelha da menina. Ela ri, suas bochechas se coram, e meu
coração desce até a barriga.
Tinha tanta certeza de que a gente tinha tido uma… conexão. E ele já está
flertando com outra pessoa?
“Você não tá me ouvindo”, acusa Garrett. “Tá olhando pra quem?”
Afasto os olhos de Justin e da morena, mas não rápido o suficiente.
Garrett abre um sorriso ao notar o meu olhar. “Qual deles?”, exige saber.
“Qual deles o quê?”
Ele aponta com a cabeça para Justin, em seguida, vira um metro e meio para a
direita, onde vejo Jimmy conversando com seus amigos de república. “Paulson ou
Kohl… com quem você quer trepar?”

“Trepar?” Ele consegue minha atenção de volta. “Eca. Quem fala esse tipo de
coisa?”
“Tudo bem, prefere que diga de outro jeito? Com quem você quer transar — ou
fazer amor, se essa for a sua praia.”
Faço uma cara feia. O cara é um babaca.
Quando fico em silêncio, ele responde por mim. “Kohl”, conclui. “Vi você
dançando com Paulson antes, e, definitivamente, seus olhos não estavam
brilhando por ele.”
Não confirmo nem nego. Simplesmente me afasto. “Tenha uma boa noite,
Garrett.”
“Odeio ser eu a dar a notícia, mas não vai acontecer, Wellsy. Você não faz o tipo
dele.”
Uma sensação de raiva e vergonha toma conta de minha barriga. Uau. Ele
acabou mesmo de dizer isso?
“Obrigada pela dica”, respondo com frieza. “Agora, se me dá licença…”
Garrett tenta me segurar pelo braço, mas eu o atropelo e o deixo no vácuo.
Procuro por Allie pela sala e não demoro a vê-la aos beijos com Sean no sofá. Não
quero interrompê-los, por isso dou meia-volta em direção à porta.
Meus dedos tremem ao digitar uma mensagem para ela, avisando que fui
embora. A avaliação direta de Garrett — você não faz o tipo dele — ecoa em minha
mente como um mantra depressivo.
Mas, verdade seja dita, é justamente o que eu precisava ouvir. E daí se Justin
falou comigo no corredor? É claro que não significou nada, porque no minuto
seguinte ele xavecou outra pessoa. É hora de encarar a realidade. Justin e eu não
vamos ficar, não importa o quanto eu queira.
Que burrice a minha vir aqui hoje.
Ondas de vergonha varam meu corpo, enquanto deixo a casa Sigma e saio na
brisa fria da noite. Me arrependo de não ter trazido um casaco, mas não queria
ficar com as mãos ocupadas a noite inteira e achei que aguentaria as temperaturas
de outubro nos cinco segundos entre o táxi até a porta da frente.
Allie me responde assim que piso na varanda, oferecendo-se para sair e me fazer
companhia até o táxi chegar, mas digo a ela para ficar com o namorado. Pego o
número do serviço de táxi da faculdade e, quando estou prestes a digitar no
celular, ouço o meu nome. Digo, uma variação irritante dele.
“Wellsy. Espere.”
Desço os degraus da varanda dois de cada vez, mas Garrett é muito mais alto do
que eu, o que significa que tem uma passada mais comprida e me alcança em dois

segundos.
“Por favor, espere.” Ele me detém pelo ombro.
Afasto sua mão e me viro para encará-lo. “O que foi? Resolveu me ofender um
pouco mais?”
“Não queria ofender você”, reclama ele. “Só estava constatando um fato.”
Que ódio. “Nossa. Obrigada.”
“Merda.” Ele parece frustrado. “Ofendi você de novo. Não foi minha intenção.
Não estou tentando dar uma de babaca, o.k.?”
“Claro que não está tentando. Você já faz isso naturalmente.”
Ele tem a cara de pau de sorrir, mas seu bom humor desaparece depressa.
“Olha, conheço o cara, tá legal? É amigo de um dos meus colegas de república e já
foi lá em casa algumas vezes.”
“Que bom pra você. Pode ficar com ele então, porque não estou interessada.”
“Ah, está sim.” Ele parece muito confiante, e o odeio por isso. “Só estou dizendo
que Kohl tem um tipo.”
“Tudo bem, então me diga, qual é o tipo dele? Não que eu esteja interessada ou
qualquer coisa assim”, acrescento depressa.
Ele sorri como quem entendeu tudo. “Ah, sim. Claro que não está.” Em seguida,
dá de ombros. “Faz uns dois meses que entrou na universidade, não é? Até agora
só o vi com uma líder de torcida e duas integrantes da Kappa Beta. Sabe o que isso
me diz?”
“Não, mas isso me diz que você passa tempo demais prestando atenção em quem
os outros caras pegam.”
Ele ignora as farpas. “Isso me diz que Kohl está interessado em garotas de certo
status social.”
Reviro os olhos. “Se isso é mais uma proposta de me fazer popular, vou ter que
deixar passar.”
“Ei, se você quer chamar a atenção de Kohl, vai ter que fazer algo drástico.” Ele
faz uma pausa. “Tô dizendo que a proposta de sair com você ainda está de pé.”
“E continuo recusando. Agora, se me dá licença, preciso chamar um táxi.”
“Não, não precisa.”
A tela do meu celular apagou, e digito minha senha depressa, para desbloqueálo.
“É sério, não precisa”, insiste Garrett. “Te deixo em casa.”
“Não preciso de motorista.”
“É isso que taxistas são. Motoristas.”
“Não preciso de você como meu motorista”, me corrijo.

“Você prefere pagar dez dólares para voltar para casa do que aceitar uma carona
minha de graça?”
Sua observação sarcástica acertou na mosca. Porque sim, definitivamente confio
mais num taxista empregado pela universidade para me levar para casa do que em
Garrett Graham. Não entro em um carro com estranhos. Ponto.
Garrett semicerra os olhos como se tivesse lido meus pensamentos. “Não vou
tentar nada, Wellsy. É só uma carona para casa.”
“Volte para a festa, Garrett. Seus amigos devem estar se perguntando onde você
se meteu.”
“Vai por mim, eles não ligam a mínima para onde estou. Só estão interessados
em encontrar uma menina bebaça pra comer.”
Engasgo. “Meu Deus. Você é nojento, sabia?”
“Não, só sincero. Além do mais, não disse que eu estou interessado nisso. Não
preciso embebedar uma mulher para dormir comigo. Elas aparecem sóbrias e por
vontade própria.”
“Parabéns.” Solto um grito quando ele puxa o telefone da minha mão. “Ei!”
Para minha surpresa, ele vira a câmera na sua direção e tira uma foto.
“O que você está fazendo?”
“Pronto”, diz, me devolvendo o aparelho. “Pode mandar essa carinha bonita para
toda a sua lista de contatos e dizer que eu estou te levando para casa. Se você
aparecer morta amanhã, todo mundo vai saber quem foi o responsável. E, se
quiser, pode deixar o dedo no botão de chamada de emergência o tempo inteiro,
caso precise ligar para a polícia.” Ele solta um suspiro exasperado. “Posso te levar
pra casa agora?”
Embora a ideia de ficar esperando um táxi em pé do lado de fora, sem casaco,
não me agrade, faço uma última exigência. “Quanto você bebeu?”
“Meia cerveja.”
Ergo uma das sobrancelhas.
“Meu limite é uma”, insiste ele. “Tenho treino amanhã de manhã.”
Minha resistência se esvai diante do olhar de franqueza em seu rosto. Já ouvi
muitos boatos a respeito de Garrett, mas nenhum deles envolvendo álcool ou
drogas, e o serviço de táxi da universidade é famoso por demorar horrores, por
isso, sério mesmo, acho que não vou morrer se passar cinco minutos no carro
com o cara. Se eu me irritar, posso ignorá-lo sem problemas.
Ou melhor, quando eu me irritar.
“Tudo bem”, aceito. “Pode me levar pra casa. Mas isso não significa que vou dar
aulas para você.”

Seu sorriso é o cúmulo da presunção. “No carro a gente discute.”

6

GARRETT
Hannah Wells está a fim de um jogador de futebol americano. Não dá para
acreditar nisso, mas como já a ofendi uma vez hoje, tenho de pisar em ovos se
quero dobrar a menina.
Espero até estarmos no Jeep e coloco o cinto antes de lançar, com cuidado, a
pergunta. “E aí, há quanto tempo você quer pegar… digo, fazer amor com Kohl?”
Ela não responde, mas posso sentir seu olhar mortal em meu rosto.
“Deve ser bem recente, já que ele só foi transferido há dois meses.” Pressiono os
lábios. “Certo, vamos considerar que faz um mês.”
Sem resposta.
Viro-me para ela de relance e vejo que seu olhar é ainda mais ameaçador. No
entanto, mesmo com a expressão fulminante, continua gata. Tem um dos rostos
mais interessantes que já vi — as maçãs do rosto bem arredondadas, a boca um
tanto arrebitada, e, combinados com a pele morena, os olhos verdes vívidos e uma
pintinha perto dos lábios. O visual é quase exótico. E o corpo… cara, agora que
reparei nele, não consigo “desreparar”.
Mas me lembro de que não estou levando Hannah para casa na esperança de me
dar bem. Preciso muito dela, e dormirmos juntos só estragaria as coisas.
Hoje, depois do treino, o treinador me chamou num canto e me deu um sermão
de dez minutos sobre a importância de manter as notas na média. Bem, chamar
aquilo de sermão é bondade minha. Suas palavras exatas foram: “Mantenha as notas
azuis, ou vou enfiar o pé com tanta força na sua bunda que você vai passar anos
sentindo o gosto da graxa do meu sapato na boca”.
Inteligente que sou, perguntei se as pessoas ainda engraxam o sapato, e ele
respondeu com uma sequência de impropérios eloquentes, antes de sair feito um
furacão.
Não estou exagerando quando digo que hóquei é tudo na vida para mim — e
acho que eu não teria escolha, sendo filho de um fodão do rinque como meu pai
é. O velho tinha meu futuro inteirinho planejado quando eu ainda estava na
barriga da minha mãe — aprender a patinar, aprender a bater com o taco, chegar à

liga profissional, fim. Afinal de contas, Phil Graham tem uma reputação a zelar.
Quer dizer, imagina só como ele se sentiria se o filho não virasse um jogador
profissional…
Não vou negar, tem um quê de sarcasmo aí. E aqui vai uma confissão: não gosto
do meu pai. Ou melhor, eu o odeio. A ironia é que o filho da mãe acha que tudo
que fiz foi por ele. Os treinos pesados, os hematomas pelo corpo inteiro, me matar
vinte horas por semana para progredir no rinque. Ele é arrogante o suficiente para
acreditar que faço tudo isso por ele.
Mas está errado. Faço por mim. E, em menor grau, para superar o meu pai. Para
ser melhor do que ele.
Não me leve a mal — adoro o jogo. Vivo pelo barulho da torcida, a sensação do
ar gelado no rosto ao voar sobre o gelo, o som do disco quando acerto uma tacada
que acende a luz do gol. Hóquei é adrenalina. É empolgante. É… relaxante até.
Olho para Hannah mais uma vez, imaginando o que fazer para persuadi-la,
quando, de repente, percebo que estou encarando essa situação com o Kohl de
forma errada. Porque, de fato, não acho que ela seja o tipo dele… mas como é que
ele pode ser o dela?
Kohl é do tipo forte e calado, mas já conversei com o cara o suficiente para
enxergar por debaixo da máscara. Faz pinta de misterioso para atrair as garotas e,
assim que elas mordem a isca, ele abusa do seu charme para entrar debaixo da
saia delas.
Então por que uma menina centrada como Hannah Wells ficaria babando por
um cafajeste feito Kohl?
“É só tesão ou você quer namorar com ele?”, pergunto, curioso.
Um suspiro exasperado ecoa dentro do carro. “Será que dá para mudar de
assunto?”
Dou seta para a direita e me afasto da rua das repúblicas, em direção ao campus.
“Me enganei a seu respeito”, digo, com franqueza.
“Como assim?”
“Achei que você fosse mais corajosa. Destemida. Não alguém que fizesse esse
drama todo só para admitir que está a fim de um cara.”
Contenho o sorriso ao ver que ela fechou a cara. Não me surpreende que tenha
acertado na mosca. Sou bom de ler as pessoas e sei muito bem que Hannah Wells
não é do tipo que recusa um desafio, mesmo que seja um desafio velado.
“Tudo bem. Você venceu.” Parece estar falando por entre os dentes. “Talvez eu
esteja a fim dele. Um pouquinho.”
Meu sorriso se abre. “Nossa, foi tão difícil assim?” Tiro o pé do acelerador à

medida que nos aproximamos de uma placa de PARE. “Por que não chamou o cara
para sair?”
O nervosismo permeia sua voz. “E por que eu faria isso?”
“Hmm, porque você acabou de dizer que está a fim dele?”
“Nem conheço o cara.”
“E como vai conhecer se não chamar ele pra sair?”
Ela se ajeita no assento do carro, parecendo tão pouco à vontade que não posso
deixar de rir.
“Você tá com medo”, provoco, incapaz de disfarçar o quanto estou me
divertindo.
“Medo coisa nenhuma”, revida ela imediatamente. Então faz uma pausa. “Bom,
talvez um pouco. Ele… me deixa nervosa, tá legal?”
Tenho de me esforçar para mascarar a surpresa. Acho que não esperava que
fosse ser tão sincera. E a vulnerabilidade que irradia dela é ligeiramente
desconcertante. Não a conheço há muito tempo, mas tinha me habituado ao seu
sarcasmo e autoconfiança. A incerteza em seu olhar parece deslocada.
“Então vai esperar ele tomar alguma iniciativa?”
Ela me olha feio. “Deixa eu adivinhar… Você acha que ele não vai fazer nada?”
“Sei que não vai fazer nada.” Dou de ombros. “Homens gostam de correr atrás,
Wellsy. Você está facilitando muito as coisas.”
“Acho difícil”, retruca ela, secamente. “Considerando que nem disse a ele que tô
interessada.”
“Ah, ele sabe.”
Isso a faz virar-se para mim num sobressalto. “Não sabe, não.”
“Um homem sempre sabe quando a mulher está a fim dele. Pode acreditar, você
não precisa dizer em voz alta para ele captar suas vibrações.” Sorrio. “Eu só
precisei de cinco segundos para descobrir.”
“E você acha que, se eu sair com você, ele magicamente vai se interessar por
mim?” Ela parece não acreditar, mas já não soa tão hostil, o que é um bom sinal.
“Sem dúvida vai ajudar na sua causa. Mais do que correr atrás, sabe o que deixa
um cara intrigado?”
“Mal posso esperar pra saber.”
“Uma mulher inalcançável. As pessoas querem o que não podem ter.” Não
consigo esconder um risinho. “Você aí, por exemplo, a fim do Kohl.”
“Aham. Bem, se não posso ficar com ele, por que me dar ao trabalho de sair
com você?”
“Você não pode ficar com ele agora. Mas isso não quer dizer que nunca vá ficar.”

Chego a outra placa de PARE e percebo, irritado, que já estamos quase no
campus. Droga, preciso de mais tempo para persuadi-la. Reduzo a velocidade e
torço para que não perceba que estou quinze quilômetros abaixo do limite
mínimo.
“Confie em mim, Wellsy, se aparecer de braço dado comigo, ele vai reparar em
você.” Paro um instante, fingindo estar tendo uma ideia. “Quer saber de uma
coisa? Sábado que vem tem uma festa, e seu gato vai estar lá.”
“Em primeiro lugar, ‘gato’ não. E. segundo, como você sabe que ele vai estar
lá?”, acrescenta, em tom de suspeita.
“Por que é aniversário de Beau Maxwell. Sabe quem é, né? O quarterback. O
time inteiro vai estar lá.” Dou de ombros. “E a gente também.”
“Sim, claro. E o que acontece quando a gente chegar lá?”
Ela está se fazendo de desentendida, mas sei que logo vai comer na minha mão.
“A gente socializa, toma umas cervejas. Eu apresento você como minha
namorada. As meninas vão querer pular no seu pescoço. Os caras vão ficar
curiosos sobre quem você é, porque nunca prestaram atenção em você antes. Kohl
também, mas a gente vai ignorar o cara.”
“E por que a gente faria isso?”
“Para deixar o sujeito maluco. Fazer você parecer ainda mais inatingível.”
Ela morde o lábio. Eu me pergunto se tem ideia de como é fácil ler suas
emoções. Irritação, raiva, vergonha. Seus olhos revelam tudo, e isso me fascina.
Esforço-me tanto para esconder o que estou sentindo — uma lição que aprendi
desde criança —, mas o rosto de Hannah é um livro aberto. E isso é bastante
animador.
“Você é muito autoconfiante”, afirma, afinal. “Acha mesmo que tá com essa bola
toda e que o simples fato de ir a uma festa com você vai me transformar numa
celebridade?”
“Acho.” Não estou sendo arrogante, só honesto. Depois de dois anos nesta
faculdade, sei a reputação que tenho.
Mas, sério, às vezes não me sinto nem metade desse cara que as pessoas têm
certeza que sou, e não tenho dúvidas de que, se elas se dessem ao trabalho de me
conhecer de verdade, provavelmente mudariam de ideia. É como aquele lago em
que esquiava quando era criança — de longe, o gelo parecia tão lisinho e brilhoso,
mas, ao chegar perto, a superfície irregular e as marcas de patins se tornavam
visíveis. É a mesma coisa comigo, acho. Coberto de marcas de patins que ninguém
nunca parece perceber.
Nossa, estou dando uma de filósofo hoje.

Ao meu lado, Hannah ficou quieta, mordendo o lábio como se considerasse a
proposta.
Por uma fração de segundo, quase digo para deixar para lá. Parece… errado que
essa menina se importe com o que um canalha feito Kohl pensa a respeito dela.
Que desperdício gastar essa inteligência e essa língua ferina com aquele cara.
Mas logo penso no meu time e em todos os caras que estão contando comigo, e
me forço a deixar de lado as dúvidas.
“Pensa com carinho”, insisto. “A segunda chamada é sexta que vem, o que nos
dá uma semana e meia para estudar. Eu faço a prova, e no sábado a gente vai à
festa do Maxwell e mostra para o seu gato o quão sexy e atraente você é. Ele não
vai resistir, pode acreditar.”
“Um: ‘gato’ não. Dois: para de me dizer pra acreditar em você. Nem te conheço.”
Mas, apesar dos protestos, dá para ver que está mudando de ideia. “Olha, não
posso me comprometer a dar aulas para você pelo semestre inteiro. Realmente
não tenho tempo.”
“Vai ser só essa semana”, prometo.
Ela hesita.
Não a culpo por duvidar de mim. A verdade é que já estou pensando em como
convencê-la a me ajudar até o fim do curso de Tolbert, mas… uma batalha de cada
vez.
“Então, temos um acordo?”, arrisco.
Hannah fica em silêncio, mas quando estou prestes a perder as esperanças, ela
suspira e diz: “Tudo bem. Fechado”.
Excelente.
Uma parte de mim está francamente surpresa por ter conseguido dobrá-la.
Parece que faz uma eternidade que estou no pé dela, e, agora que venci, é quase
como se estivesse experimentando uma sensação de derrota. Vai entender.
Ainda assim, comemoro mentalmente enquanto dirijo pelo quarteirão nos
fundos dos alojamentos. “Qual é o seu prédio?”, pergunto encostando o Jeep.
“Bristol House.”
“Acompanho você até lá.” Tiro o cinto de segurança, mas ela faz que não com a
cabeça.
“Não preciso de guarda-costas.” Ela me mostra o celular. “Prontinho para ligar
para a polícia, lembra?”
Ficamos os dois em silêncio.
“Bom.” Ofereço a mão. “Foi um prazer fazer negócios com você.”
Ela olha para a mão estendida com se eu fosse um portador do ebola. Reviro os

olhos e recolho a mão.
“Trabalho até às oito, amanhã”, anuncia. “A gente pode se encontrar depois.
Você não mora no alojamento, né?”
“Não, mas posso vir até aqui.”
Ela fica pálida, como se eu tivesse sugerido raspar sua cabeça. “E deixar as
pessoas acharem que somos amigos? De jeito nenhum. Passo na sua casa.”
Nunca encontrei alguém com tanta aversão à minha popularidade e não sei
como lidar com isso.
Acho que posso gostar da ideia.
“Sabe, você vai ser a mais popular do seu andar se eu aparecer aqui.”
“Manda o endereço por mensagem”, ordena, com firmeza.
“Sim, senhora”, abro um sorriso. “Vejo você amanhã à noite.”
Tudo que recebo em troca é